Estado crítico do libro, e do que o sostén

Hoxe Miguel Anxo Fernán Vello falaba do estado crítico en que se acha o libro galego. Afirmaba a situación de auténtica desesperación en que viven algunhas editoras, heroicas promotoras dos xéneros menos lucrativos e non por iso menos necesarios, ante a desidia institucional por fornecer o mundo editorial dun auténtico apoio. E citaba feitos concretos: o empréstimo dos libros escolares e a ausencia de adquisición de exemplares polas bibliotecas públicas nas datas esperadas. Desde logo, concordamos en que nunha situación delicada como a dos bens culturais galegos non se deben manipular os seus sistemas sen unha prudencia máxima, sen ter sempre moi presente que a alteración de calquera elemento pode producir erros irreparábeis. Non se debe facer unha política simplemente ”moderna”, pois o fin non é facernos correr para apañar o tren da modernidade que aínda non desapareceu no horizonte. Actualizarnos sen demora non é unha prioridade, se aínda non tivemos tempo para saber en que dirección nos convén emprender a viaxe da modernidade.

eduardo_blanco_amor_poemas_horizonte_evadido590.jpg Moito atraso levamos ao lombo, é certo. E hoxe podemos presupor, felizmente, que nos libramos un pouco máis do lastro que nos impide avanzar. Vémonos con vontade, con creatividade e talvez non nos demoramos a reflectir coa profundidade necesaria. A urxencia que en nós se creou en tantos anos de frustracións nos empurra a tanto! Mais non é suficiente querer e poder, como antes pensábamos. É preciso tamén saber. E para saber hai que identificar as necesidades, valorizalas, estimar os recursos, planificar as accións correctoras, levalas a termo nos prazos previstos e revisar os resultados. Un control da cualidade da política cultural é necesaria. Non é máis que unha nova forma para un procedimento antigo: traballar “con tino”.

Por outro lado, o sistema de empréstimo de libros non aniquila a industria editorial doutros países. A demora das bibliotecas na adquisición dos volumes tampouco. Que nos sucede entón? Será que temos… ou que non temos o que afirmamos ter? Ninguén debe pretender a estas alturas sorprendernos demasiado con novos argumentos, non lles parece? Eu pregúntome por que non nos sentamos a falar do que na realidade temos, do que podemos cultivar para ter e do que se precisa para atinxir eses obxectivos. O noso destino como pobo é ofrecer ao mundo aquilo no que somos mellores que ninguén. Aquilo que nos fai ser o que somos, e que nos ten que estar a ofrecer a chave do futuro. Porque todos os pobos, como todos os individuos, teñen a chave do seu futuro no bolso da chaqueta. Mais a nosa chave, señores e señoras da política, a que abre a confortábel casa que soñamos, hai que procurala co convencemento e coa atitude precisos. As copias de chaves alleas non abrirán a nosa porta.

Vexo, teño que admitir, intencións louvábeis. Algúns logros importantes, até. Mais a verdadeira saída do foxo que nos obriga a camiñar en círculo vén da cima. Temos que erguer a cabeza e ollar para o ceu. Con grandes pretensións, con toda a ambición. Non temos máis a perder. Temos todo por diante. Porén, non é hora de malbaratar o tempo nen os recursos, e moito menos de xogar entre nós ao despiste.

Revisión 29/05/07:

“Ademais, o estudo recolle unha serie de “peculiaridades” do mercado editorial galego que o o fan “especialmente sensible” a medidas “desestabilizadoras” como o sistema de empréstito. Entre as particularidades do sistema galego destacan o “reducido” número de alumnos matriculados no sistema educativo obrigatorio que descendeu dun 6,03% respecto ao total español no curso 1999-2000 ao 5,20% en 2005-2006.

Ademais, incidiron na “baixa implantación” da lingua galega nas materias do ensino obrigatorio xa que “só” o 50% dos centros cumpren a normativa que rexe ese aspecto e subliñaron que unicamente nun de cada tres centros disponse do material didáctico “adecuado” en lingua galega.

Neste sentido, o presidente da AGE, Alfonso García Sanmartín, destacou que “a situación é máis grave” do que esperaban e reprochou aos políticos a “improvisación e a ignorancia” coa que se poñen en marcha medidas deste tipo “sen contar, moitas veces, cunha base de partida sólida”, concluíu.” (Europa Press)

Share

by

Alfredo Ferreiro nasceu na Corunha em 1969. Estudou Filologia Hispânica e iniciou-se na Teoria da literatura. É membro da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega e da Associaçom Galega da Língua. Tem participado desde 90 em inúmeros recitais de poesia e colaborado em revistas galegas e portuguesas, entre elas Anto e Saudade, sob a direção de António José Queiroz. Na atualidade é membro do Grupo Surrealista Galego. Como crítico tem colaborado em publicações periódicas impressas como A Nosa Terra, @narquista (revista dos ateneus libertários galegos), Protexta (suplemento literário de Tempos Novos), Dorna e Grial, para além de em diversos projetos digitais. De 2008 a 2014 dirigiu, junto com Táti Mancebo, a plataforma de blogues Blogaliza. Desde 2006 é asíduo dos meios eletrónicos, em que se dedica à divulgação da literatura e do pensamento crítico. Atualmente colabora no jornais Praza Pública e Sermos Galiza. A inícios de 2014 fundou, junto com Táti Mancebo e Ramiro Torres, a revista digital de artes e letras Palavra comum, dirigida ao âmbito lusófono. Desde outubro de 2015 é coodenador do Certame Manuel Murguía de Narracións Breves de Arteixo.

11 thoughts on “Estado crítico do libro, e do que o sostén

  1. Gostan eles? Quen? O mundo é amplo e ben certo será que o noso modo de perspectivar a arte escrita ha de ser ben valorizado en moitos lugares se ben feito, rico e orixinal. Debemos é achar un modo de sermos nesta modernidade algo fértil e non un subproducto. Aquí é que precisamos do ángulo certo para traballar. E un criterio apropiado para a necesaria creación da lingua literaria ten que vir da nosa leitura da literatura portuguesa, non dos ritmos e as metáforas do gaélico. Outra cousa é o imaxinario que xa se tirou de aí e que pertence xa á nosa “tradición” literaria, do que non hai que prescindir.

  2. Gostan eles? Quen? O mundo é amplo e ben certo será que o noso modo de perspectivar a arte escrita ha de ser ben valorizado en moitos lugares se ben feito, rico e orixinal. Debemos é achar un modo de sermos nesta modernidade algo fértil e non un subproducto. Aquí é que precisamos do ángulo certo para traballar. E un criterio apropiado para a necesaria creación da lingua literaria ten que vir da nosa leitura da literatura portuguesa, non dos ritmos e as metáforas do gaélico. Outra cousa é o imaxinario que xa se tirou de aí e que pertence xa á nosa “tradición” literaria, do que non hai que prescindir.

  3. Ernesto Vázquez Souza

    Mas eu não vejo onde está o problema de conciliar todas essas tradições que são as que estão na base do nosso discurso cultural e na base das nossas metáforas.

    Assumir que somos é a primiera base para entender o que escrevemos e tratar de escrever.

    É o discurso de Murguia a Castelao: com Espanha na história e na política para isso a fizemos nós(sempre que respeitem os pactos), com Portugal na cultura e no idioma (pois é o nosso) e antendendo a um fundo cultural mui antigo anterior ao cristianismo (chamemos-lhe celtismo) que se evidencia no relativismo, no animismo, no panteismo, no ensonho, no estar de volta do pensamento categórico e atento ao homem…

    Diz Suso de Toro que em Espanha não gostam do último que escreveu e diz cousas curiossíssimas de sociologia e política. Para mim o que há no fundo é o velho problema da recepção de uma obra literária pertencente a outra linha cultural. O mesmo problema que com Vicetto, Pardo Bazán, Rosalia, Valle, Fernández Flórez, Cunqueiro, Torrente Ballester…

    Ou escrevemos como nós ou nos adaptamos a eles. Pretender que eles se adaptem a nós é soberva.

    Gostam das obras galegas como novidades, como peças musicais, adoram os contos, as poesias, os discursos e as anedotas, mas não percebem bem o fundo dos significados e em quanto se passa de tentar brinquedos a obras “ambiciosas” o sistema já não enxerga.

    Essas metáforas, esse cavalgar fantasioso e associativo, essa prosa de ritmo, poética encadenada e sugerente, onde cada palavra remete a um contexto, significa para nós, não para eles.

    Para a literatura galega, como na fala o jogo está na colaboração na mente do receptor. Essa comunicação não é a de Castela, e também não é o sossegado classicismo do Mediterráneo, Portugal também perdeu muito disto, de nós -que define a sua literatura clássica- na modernidade.

  4. Ernesto Vázquez Souza

    Mas eu não vejo onde está o problema de conciliar todas essas tradições que são as que estão na base do nosso discurso cultural e na base das nossas metáforas.

    Assumir que somos é a primiera base para entender o que escrevemos e tratar de escrever.

    É o discurso de Murguia a Castelao: com Espanha na história e na política para isso a fizemos nós(sempre que respeitem os pactos), com Portugal na cultura e no idioma (pois é o nosso) e antendendo a um fundo cultural mui antigo anterior ao cristianismo (chamemos-lhe celtismo) que se evidencia no relativismo, no animismo, no panteismo, no ensonho, no estar de volta do pensamento categórico e atento ao homem…

    Diz Suso de Toro que em Espanha não gostam do último que escreveu e diz cousas curiossíssimas de sociologia e política. Para mim o que há no fundo é o velho problema da recepção de uma obra literária pertencente a outra linha cultural. O mesmo problema que com Vicetto, Pardo Bazán, Rosalia, Valle, Fernández Flórez, Cunqueiro, Torrente Ballester…

    Ou escrevemos como nós ou nos adaptamos a eles. Pretender que eles se adaptem a nós é soberva.

    Gostam das obras galegas como novidades, como peças musicais, adoram os contos, as poesias, os discursos e as anedotas, mas não percebem bem o fundo dos significados e em quanto se passa de tentar brinquedos a obras “ambiciosas” o sistema já não enxerga.

    Essas metáforas, esse cavalgar fantasioso e associativo, essa prosa de ritmo, poética encadenada e sugerente, onde cada palavra remete a um contexto, significa para nós, não para eles.

    Para a literatura galega, como na fala o jogo está na colaboração na mente do receptor. Essa comunicação não é a de Castela, e também não é o sossegado classicismo do Mediterráneo, Portugal também perdeu muito disto, de nós -que define a sua literatura clássica- na modernidade.

  5. Ernesto Vázquez Souza

    Mas eu não vejo onde está o problema de conciliar todas essas tradições que são as que estão na base do nosso discurso cultural e na base das nossas metáforas.

    Assumir que somos é a primiera base para entender o que escrevemos e tratar de escrever.

    É o discurso de Murguia a Castelao: com Espanha na história e na política para isso a fizemos nós(sempre que respeitem os pactos), com Portugal na cultura e no idioma (pois é o nosso) e antendendo a um fundo cultural mui antigo anterior ao cristianismo (chamemos-lhe celtismo) que se evidencia no relativismo, no animismo, no panteismo, no ensonho, no estar de volta do pensamento categórico e atento ao homem…

    Diz Suso de Toro que em Espanha não gostam do último que escreveu e diz cousas curiossíssimas de sociologia e política. Para mim o que há no fundo é o velho problema da recepção de uma obra literária pertencente a outra linha cultural. O mesmo problema que com Vicetto, Pardo Bazán, Rosalia, Valle, Fernández Flórez, Cunqueiro, Torrente Ballester…

    Ou escrevemos como nós ou nos adaptamos a eles. Pretender que eles se adaptem a nós é soberva.

    Gostam das obras galegas como novidades, como peças musicais, adoram os contos, as poesias, os discursos e as anedotas, mas não percebem bem o fundo dos significados e em quanto se passa de tentar brinquedos a obras “ambiciosas” o sistema já não enxerga.

    Essas metáforas, esse cavalgar fantasioso e associativo, essa prosa de ritmo, poética encadenada e sugerente, onde cada palavra remete a um contexto, significa para nós, não para eles.

    Para a literatura galega, como na fala o jogo está na colaboração na mente do receptor. Essa comunicação não é a de Castela, e também não é o sossegado classicismo do Mediterráneo, Portugal também perdeu muito disto, de nós -que define a sua literatura clássica- na modernidade.

  6. Isto todo o que demostra é que o que chamamos Sistema literario galego aínda é como moito un subsistema do Sistema literario español. Penso que só a arte feita desde aquí e para o mundo, sen preconceitos é posíbel que semente un futuro digno. Mais o que é “feito desde aquí”? Só pode ser, a meu ver, unha arte que para o antigo se fixe no que aínda conservamos e para o moderno se apoie na tradición contemporánea portuguesa. Estamos a falar de literatura, non é? Isto é o que penso: que, como Marinhas del Valle e tantos, da tradición literaria asumamos a portuguesa, a nosa visión dela, evidentemente, coa perspectiva que máis fertil sexa, mas esa e non só a castelá.
    Noutra altura algúns teóricos como Claudio Rodríguez Fer apostaban mellor por alimentarse das literaturas célticas… O seu nacionalismo facía con que quixese protexerse das afinidades dunha cultura “demasiado” próxima. Parece que non sabemos pensar se non é tras a saia do noso medo. Mais é moita hora de esquecer a dor que tanta censura nos ten producido, e que carrexamos de xeración en xeración como estigma imborrábel. Deixemos á solta a imaxinación creativa e sexamos os insensatos que sempre nos dixeron que non debiamos ser!
    “Ande, hombre, cuspa usted su flema!”

  7. Isto todo o que demostra é que o que chamamos Sistema literario galego aínda é como moito un subsistema do Sistema literario español. Penso que só a arte feita desde aquí e para o mundo, sen preconceitos é posíbel que semente un futuro digno. Mais o que é “feito desde aquí”? Só pode ser, a meu ver, unha arte que para o antigo se fixe no que aínda conservamos e para o moderno se apoie na tradición contemporánea portuguesa. Estamos a falar de literatura, non é? Isto é o que penso: que, como Marinhas del Valle e tantos, da tradición literaria asumamos a portuguesa, a nosa visión dela, evidentemente, coa perspectiva que máis fertil sexa, mas esa e non só a castelá.
    Noutra altura algúns teóricos como Claudio Rodríguez Fer apostaban mellor por alimentarse das literaturas célticas… O seu nacionalismo facía con que quixese protexerse das afinidades dunha cultura “demasiado” próxima. Parece que non sabemos pensar se non é tras a saia do noso medo. Mais é moita hora de esquecer a dor que tanta censura nos ten producido, e que carrexamos de xeración en xeración como estigma imborrábel. Deixemos á solta a imaxinación creativa e sexamos os insensatos que sempre nos dixeron que non debiamos ser!
    “Ande, hombre, cuspa usted su flema!”

  8. Isto todo o que demostra é que o que chamamos Sistema literario galego aínda é como moito un subsistema do Sistema literario español. Penso que só a arte feita desde aquí e para o mundo, sen preconceitos é posíbel que semente un futuro digno. Mais o que é “feito desde aquí”? Só pode ser, a meu ver, unha arte que para o antigo se fixe no que aínda conservamos e para o moderno se apoie na tradición contemporánea portuguesa. Estamos a falar de literatura, non é? Isto é o que penso: que, como Marinhas del Valle e tantos, da tradición literaria asumamos a portuguesa, a nosa visión dela, evidentemente, coa perspectiva que máis fertil sexa, mas esa e non só a castelá.
    Noutra altura algúns teóricos como Claudio Rodríguez Fer apostaban mellor por alimentarse das literaturas célticas… O seu nacionalismo facía con que quixese protexerse das afinidades dunha cultura “demasiado” próxima. Parece que non sabemos pensar se non é tras a saia do noso medo. Mais é moita hora de esquecer a dor que tanta censura nos ten producido, e que carrexamos de xeración en xeración como estigma imborrábel. Deixemos á solta a imaxinación creativa e sexamos os insensatos que sempre nos dixeron que non debiamos ser!
    “Ande, hombre, cuspa usted su flema!”

  9. Ernesto Vázquez Souza

    Interessante debate.

    Uma cousa que eu pessoalmente não entendo é porque temos aceite as bases em que se fundamenta a maior parte do sistema cultural actual.

    A literatura galega, desde a Restauração arrastou a mesma problemática sistémica e lastrante. A integração dos intelectuais e artistas no estado espanhol ou a marginalização.

    Añón contra Montero Rios. Ambos galegos, ambos amigos, ambos de “fundo” federalista, progressista, laicista e de enorme e galeguíssima cultura.

    Sempre houve uma parte do sistema que viveu da cultura e do poder oficial (à sombra dos caciques e dos mecenas, as deputações, concelhos, a universidade e a infame imprensa regional), pessoal que roldava arredor da Pardo Bazán ou das Academias.

    Esquecemos que a Galiza nunca foi ocupada militarmente que os poderes nunca foram -agás circunstancialmente- alheios. O poder sempre esteve em mãos galegas cuidadosas de manter o folclore e o sabor regional. Não é cousa de agora.

    O da doma e castração, da susbtituição da Nobreza galega é como os Séculos escuros mito do historicismo nacionalismo incapaz de entender, ou reticente de explicar -como hoje– em profundidade as estruturas do poder sem o criticar. O funcionamento do poder na Galiza e o projecto nacional que tem, herdado desde o XII.

    Desde o início (no XIX) há na nossa literatura duas forças que a condicionam: uma nacionalista soberanista que tem como lema ALÉM e outra autonomista, regionalista que tem como lema MEL.

    Isto condiciona o modelo literário, o modelo de língua, os gêneros e os temas. Não sempre os melhores autores, e evidentemente poucas vezes os mais reconhecidos nos seus tempos militam em ALÉM.

    Porém, na procura da soberania estética e na independência da cultura espanhola, na margem do sistema e contra o poder é onde nasceram todas as grandes obras da cultura galega.

    O melosinho “regionalismo” literário vai a remolque e é lastre condicionante, por muito que nele se tenham dado exemplos evidentes de boa literatura, de formas trabalhadas de rico léxico.

    Esta polêmica ab ovo concentra-se geralmente na ortografia. Na aproximação aos modelos castelhano e ou português. Mas o facto definitório mesmo não é a ortografia em que se escreva, apenas o modelo que para galego se quer.

    A questão não é de enxebreça nem de tradição, nem de modernidade é de possibilidades de criação de um sistema à vez que se perde massa social. Esse é o problema e a questão. A estratégia condiciona o modelo.

    Desde 1980 a oficialização da cultura galega tem feito possível, mais uma vez, o velho sonho “regionalista”. A transação aceite entre o poder e a cultura ajeitada a esse modelo que representa a literatura e a língua para-oficial que se juntava em Folclore Gallego, em La Voz de Galicia ou no paço de Lourição e foi editada pela Biblioteca gallega de Martinez Salazar.

    Outra língua e outra escolha há em Rosalia, na Cova Céltica, na Liga gallega e na editora regional de Carré Aldao.

    É apenas uma outra versão do mesmo debate original das forças que rompem a Academia galega desde antes das origens e condicionam os seus sucessivos fracassos na construção de um modelo.

    A dependência dos agentes culturais com o poder e os seus dinheiros é que está a condicionar tudo, pois bloqueia não apenas o facto literário e o lingüístico quanto a interpretação do passado, da tradição.

    Romper com a dependência econômica com o poder tanto formal, como ortográfica, como canônica é a única possibilidade de volver ao caminho.

    A independência econômica, como na própria vida é o único garante da independência do pensamento e da arte. A mais indivíduos independentes economicamente mais massa social tendencionalmente independente.

    Pregar por mais quartos ou por soluções de arriba é consagrar a dependência. Dadas as condições históricas do poder na Galiza é um suicídio lento. O que não se alicerce em próprios recursos não é nada, apenas teatro.

    Por isso apenas nas margens é que se podem dar passos que o sistema ainda nem alvisca. Há já utentes com outros modelos forjados na margem que ao não dever podem romper, ou quando menos sonhar em romper.

    E como no resto do comércio. A que tanto conto. Nenhum negócio deve ser subvencionado. Ou queremos que a literatura, o pensamento galego seja igual de enfermo que a economia labrega?

    O que não seja rendível que feche, ou que passe a hobby.

    Na Galiza, nas condições atuais e com o público leitor que há apenas há espaço para 3-4 editoras e sempre que comprometidas com a causa. Ou acaso esquencemos que as “grandes” editoras não apostam pelo galego apenas porque tirando os dinheiros oficiais e as vendas escolares não há mercado?

  10. Ernesto Vázquez Souza

    Interessante debate.

    Uma cousa que eu pessoalmente não entendo é porque temos aceite as bases em que se fundamenta a maior parte do sistema cultural actual.

    A literatura galega, desde a Restauração arrastou a mesma problemática sistémica e lastrante. A integração dos intelectuais e artistas no estado espanhol ou a marginalização.

    Añón contra Montero Rios. Ambos galegos, ambos amigos, ambos de “fundo” federalista, progressista, laicista e de enorme e galeguíssima cultura.

    Sempre houve uma parte do sistema que viveu da cultura e do poder oficial (à sombra dos caciques e dos mecenas, as deputações, concelhos, a universidade e a infame imprensa regional), pessoal que roldava arredor da Pardo Bazán ou das Academias.

    Esquecemos que a Galiza nunca foi ocupada militarmente que os poderes nunca foram -agás circunstancialmente- alheios. O poder sempre esteve em mãos galegas cuidadosas de manter o folclore e o sabor regional. Não é cousa de agora.

    O da doma e castração, da susbtituição da Nobreza galega é como os Séculos escuros mito do historicismo nacionalismo incapaz de entender, ou reticente de explicar -como hoje– em profundidade as estruturas do poder sem o criticar. O funcionamento do poder na Galiza e o projecto nacional que tem, herdado desde o XII.

    Desde o início (no XIX) há na nossa literatura duas forças que a condicionam: uma nacionalista soberanista que tem como lema ALÉM e outra autonomista, regionalista que tem como lema MEL.

    Isto condiciona o modelo literário, o modelo de língua, os gêneros e os temas. Não sempre os melhores autores, e evidentemente poucas vezes os mais reconhecidos nos seus tempos militam em ALÉM.

    Porém, na procura da soberania estética e na independência da cultura espanhola, na margem do sistema e contra o poder é onde nasceram todas as grandes obras da cultura galega.

    O melosinho “regionalismo” literário vai a remolque e é lastre condicionante, por muito que nele se tenham dado exemplos evidentes de boa literatura, de formas trabalhadas de rico léxico.

    Esta polêmica ab ovo concentra-se geralmente na ortografia. Na aproximação aos modelos castelhano e ou português. Mas o facto definitório mesmo não é a ortografia em que se escreva, apenas o modelo que para galego se quer.

    A questão não é de enxebreça nem de tradição, nem de modernidade é de possibilidades de criação de um sistema à vez que se perde massa social. Esse é o problema e a questão. A estratégia condiciona o modelo.

    Desde 1980 a oficialização da cultura galega tem feito possível, mais uma vez, o velho sonho “regionalista”. A transação aceite entre o poder e a cultura ajeitada a esse modelo que representa a literatura e a língua para-oficial que se juntava em Folclore Gallego, em La Voz de Galicia ou no paço de Lourição e foi editada pela Biblioteca gallega de Martinez Salazar.

    Outra língua e outra escolha há em Rosalia, na Cova Céltica, na Liga gallega e na editora regional de Carré Aldao.

    É apenas uma outra versão do mesmo debate original das forças que rompem a Academia galega desde antes das origens e condicionam os seus sucessivos fracassos na construção de um modelo.

    A dependência dos agentes culturais com o poder e os seus dinheiros é que está a condicionar tudo, pois bloqueia não apenas o facto literário e o lingüístico quanto a interpretação do passado, da tradição.

    Romper com a dependência econômica com o poder tanto formal, como ortográfica, como canônica é a única possibilidade de volver ao caminho.

    A independência econômica, como na própria vida é o único garante da independência do pensamento e da arte. A mais indivíduos independentes economicamente mais massa social tendencionalmente independente.

    Pregar por mais quartos ou por soluções de arriba é consagrar a dependência. Dadas as condições históricas do poder na Galiza é um suicídio lento. O que não se alicerce em próprios recursos não é nada, apenas teatro.

    Por isso apenas nas margens é que se podem dar passos que o sistema ainda nem alvisca. Há já utentes com outros modelos forjados na margem que ao não dever podem romper, ou quando menos sonhar em romper.

    E como no resto do comércio. A que tanto conto. Nenhum negócio deve ser subvencionado. Ou queremos que a literatura, o pensamento galego seja igual de enfermo que a economia labrega?

    O que não seja rendível que feche, ou que passe a hobby.

    Na Galiza, nas condições atuais e com o público leitor que há apenas há espaço para 3-4 editoras e sempre que comprometidas com a causa. Ou acaso esquencemos que as “grandes” editoras não apostam pelo galego apenas porque tirando os dinheiros oficiais e as vendas escolares não há mercado?

  11. Ernesto Vázquez Souza

    Interessante debate.

    Uma cousa que eu pessoalmente não entendo é porque temos aceite as bases em que se fundamenta a maior parte do sistema cultural actual.

    A literatura galega, desde a Restauração arrastou a mesma problemática sistémica e lastrante. A integração dos intelectuais e artistas no estado espanhol ou a marginalização.

    Añón contra Montero Rios. Ambos galegos, ambos amigos, ambos de “fundo” federalista, progressista, laicista e de enorme e galeguíssima cultura.

    Sempre houve uma parte do sistema que viveu da cultura e do poder oficial (à sombra dos caciques e dos mecenas, as deputações, concelhos, a universidade e a infame imprensa regional), pessoal que roldava arredor da Pardo Bazán ou das Academias.

    Esquecemos que a Galiza nunca foi ocupada militarmente que os poderes nunca foram -agás circunstancialmente- alheios. O poder sempre esteve em mãos galegas cuidadosas de manter o folclore e o sabor regional. Não é cousa de agora.

    O da doma e castração, da susbtituição da Nobreza galega é como os Séculos escuros mito do historicismo nacionalismo incapaz de entender, ou reticente de explicar -como hoje– em profundidade as estruturas do poder sem o criticar. O funcionamento do poder na Galiza e o projecto nacional que tem, herdado desde o XII.

    Desde o início (no XIX) há na nossa literatura duas forças que a condicionam: uma nacionalista soberanista que tem como lema ALÉM e outra autonomista, regionalista que tem como lema MEL.

    Isto condiciona o modelo literário, o modelo de língua, os gêneros e os temas. Não sempre os melhores autores, e evidentemente poucas vezes os mais reconhecidos nos seus tempos militam em ALÉM.

    Porém, na procura da soberania estética e na independência da cultura espanhola, na margem do sistema e contra o poder é onde nasceram todas as grandes obras da cultura galega.

    O melosinho “regionalismo” literário vai a remolque e é lastre condicionante, por muito que nele se tenham dado exemplos evidentes de boa literatura, de formas trabalhadas de rico léxico.

    Esta polêmica ab ovo concentra-se geralmente na ortografia. Na aproximação aos modelos castelhano e ou português. Mas o facto definitório mesmo não é a ortografia em que se escreva, apenas o modelo que para galego se quer.

    A questão não é de enxebreça nem de tradição, nem de modernidade é de possibilidades de criação de um sistema à vez que se perde massa social. Esse é o problema e a questão. A estratégia condiciona o modelo.

    Desde 1980 a oficialização da cultura galega tem feito possível, mais uma vez, o velho sonho “regionalista”. A transação aceite entre o poder e a cultura ajeitada a esse modelo que representa a literatura e a língua para-oficial que se juntava em Folclore Gallego, em La Voz de Galicia ou no paço de Lourição e foi editada pela Biblioteca gallega de Martinez Salazar.

    Outra língua e outra escolha há em Rosalia, na Cova Céltica, na Liga gallega e na editora regional de Carré Aldao.

    É apenas uma outra versão do mesmo debate original das forças que rompem a Academia galega desde antes das origens e condicionam os seus sucessivos fracassos na construção de um modelo.

    A dependência dos agentes culturais com o poder e os seus dinheiros é que está a condicionar tudo, pois bloqueia não apenas o facto literário e o lingüístico quanto a interpretação do passado, da tradição.

    Romper com a dependência econômica com o poder tanto formal, como ortográfica, como canônica é a única possibilidade de volver ao caminho.

    A independência econômica, como na própria vida é o único garante da independência do pensamento e da arte. A mais indivíduos independentes economicamente mais massa social tendencionalmente independente.

    Pregar por mais quartos ou por soluções de arriba é consagrar a dependência. Dadas as condições históricas do poder na Galiza é um suicídio lento. O que não se alicerce em próprios recursos não é nada, apenas teatro.

    Por isso apenas nas margens é que se podem dar passos que o sistema ainda nem alvisca. Há já utentes com outros modelos forjados na margem que ao não dever podem romper, ou quando menos sonhar em romper.

    E como no resto do comércio. A que tanto conto. Nenhum negócio deve ser subvencionado. Ou queremos que a literatura, o pensamento galego seja igual de enfermo que a economia labrega?

    O que não seja rendível que feche, ou que passe a hobby.

    Na Galiza, nas condições atuais e com o público leitor que há apenas há espaço para 3-4 editoras e sempre que comprometidas com a causa. Ou acaso esquencemos que as “grandes” editoras não apostam pelo galego apenas porque tirando os dinheiros oficiais e as vendas escolares não há mercado?

Comments are closed.