Teoría das ruínas, adiantamento editorial

Foto: Táti Mancebo

No número 204 da Grial – Revista galega de cultura publica-se um avanço do que será o meu próximo livro de poemas, a sair na chancela Edicións Positivas de novo com ilustrações de Alberto Esperante. Estes são alguns dos poemas:

Un poema é unha ruína construída no futuro. Un pasado que alguén desexa albergado en corpo de poema. Un corpo para a alma perscrutar a verdade entre as pedras. A verdade que se esculpe en pedra de poema. E se a Venus de Milo naceu así, como a ruína que coñecemos, para que a interpretación do invisíbel converta en arte un fragmento?

Grial 204

*

AS RATAS As ratas que comen o fígado deste prometeu nada teñen a ver coas tripas dun mito. Elas son así, comelloas, as ratas. Viven á sombra da aguia imperial que ten xustificado o seu labor como sol negro dun grave destino. Porque as ratas do caos son as fallas que o deus preguizoso das cousas pequenas deixou sen ordenar. Son escuros animais que roen a madeira en que tallamos a consciencia, perciben as fendas da soidade, entran polos buratos da confianza e envenenan os pozos do amor. Bichos cun corazón sen sangue, aliméntanse da carne de homes encadeados.

*

RECONSTRUCIÓN Camiña a alma cos pés nus e o corpo é só un caxato que a axuda a viaxar. Elevamos a vista e os paxaros anuncian un vago destino nunha misteriosa dirección. Non é preciso disecar brutalmente un animal, nin pór o fillo nun altar e alzar na man un coitelo agardando un signo divino. O noso destino é o Misterio e a el nos debemos consagrar iluminados sempre pola luz dun fósforo oculto á razón. Camiñamos e non sabemos onde o carreiro nos levará. Cremos isto ou aquilo e pouco ou nada sabemos do que acharemos no solpor. Se cadra veremos a Atlántida ou liberaremos os reféns que retemos na caves dun castelo asolagado por unha antiga dor. Somos seres nacidos nas ruínas do mundo, e pedras que se labran para a súa reconstrución.

Share

Galegos no Jornal de Letras!

Há anos que sou assinante do JL e nunca como esta semana passada pude comprovar a presença de galegos no quinzenário, com uma longa entrevista a Ângelo Cristóvão e um artigo de página inteira do Carlos Quiroga. Para além de esporádicas referências à participação do mesmo Quiroga na Correntes d’ Escrita(s) da Póvoa do Varzim e outras do Elias J. Torres Feijó em representação da Associação Internacional de Lusitanistas, raro é achar nomes de galegos ou dados sobre as nossas atividades. Mas no número 1155 algo mudou, se calhar.

Foi efetivamente a Lei Paz-Andrade que pus as antenas lusas em alerta, e assim lemos o Cristóvão afirmar que a nova lei visa: «promover a língua portuguesa no sistema de ensino galego; estimular a produção e o intercâmbio de conteúdos em português nos meios de comunicação da Galiza; e integrar essa comunidade autónoma no espaço lusófono, nomeadamente na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa. Eis as três principais “linhas de trabalho” da lei para o Aproveitamento da Língua Portuguesa e Vínculos com a Lusofonia, também chamada lei Paz-Andrade, aprovada, por unanimidade, no Parlamento galego, em abril passado. Um consenso “histórico” que assinala um ponto de viragem na política linguística do governo galego…».

Share

François Davo medindo o perímetro do tigre

François Davo medindo o perímetro do tigre […]

Share

A Geração Fénix

A Geração Fénix […]

Share