Marcos Calveiro: Fontán

Apresentação de Fontán, de Marcos Calveiro,  na Livraria Suévia acompanhado por Martin Pawley (crítico) e Víctor F. Freixanes (Editorial Galaxia). A obra recebeu o Prémio Narrativa Breve Repsol 2015.

Share

Na praia da Magdalena (Cabanas)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Desde a anterior visita, em companhia de Xavier Alcalá, Elena Baillie e Manel Cráneo para lembrarmos o espaço real em que se desenvolve o romance A nosa cinza com motivo da sua próxima versão em BD, esta praia passou a ser um lugar literário referencial para mim. Nesta ocasião voltamos a ela depois de ter em Pontedeume com o entranhável Manuel Molares, protagonista da trilogia Evangélica Memória do Alcalá, para apanharmos dados para uma reportagem da revista Grial.

Share

Enfim, a contestação do Centro Pen Galicia

centro pen galiciaA tentativa de debate sobre política cultural que comecei em 27 de janeiro chega a termo. O Centro Pen Galicia, a quem inicialmente tomava como exemplo de opacidade na gestão e me servia de pretexto para denunciar a indigna situação económica e os agravos comparativos com que a Conselharia de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria e a Secretaria Geral de Política Lingüística distribuem irrisórios e até insultantes contributos, publicou uma contestação à minha carta aberta.

Quase nada resta por dizer já, ao menos pola minha parte. O Centro Pen Galicia estima que não funciona de modo opaco e mesmo se defende de acusações que não creio ter dirigido contra ele, mas contra os diversos governos e instituições galegos: o “agravo comparativo”, que acho evidente se comparadas as atividades com as da AELG e tendo em conta que recebe esta as mesmas ajudas. Também não creio o ter acusado de “inatividade” nem de qualquer “trato de favor” que, dado o caso, teria acontecido também de parte de quem concede apoios económicos em virtude de uma tabela dada de méritos.

[…] Ler mais

Share

“O PEN Galicia cabalga cara ao seu congreso internacional”

Santiago Jaureguizar

Galipedia (2009)

Santiago Jaureguizar: «[…] O escritor compostelán Suso de Toro protestaba a semana pasada en Twitter por non figurar na Lista de Bos Aires, que é como se coñece aos escritores, editores e adxuntos que van representar a a Santiago na feira do libro da capital arxentina. Queixábase De Toro por non ser convocado cando non hai moitos que teñan escrito tanto sobre a cidade. Vou opinar sen ironía: leva toda a razón. Poucos escribiron tanto sobre Compostela. O novelista en excendencia non tardou en darse un cariño noutro ‘tuit’: «O Concello quere que vaia, intentarei solución». Martiño Noriega dispón de varias prazas. […] Ler mais

Share

Carta aberta a Luís González Tosar

centro pen galicia«Diríxome a vostede despois de ter lido os comentarios que fai sobre min nunha entrevista que lle dedica César Lorenzo Gil no blogue Biosbardia. Como observo que semella non ter entendido as miñas pretensións ou non poder evitar tirar conclusións inxustificadas, tentarei explicarlle con máis clareza algúns extremos.

En primeiro lugar, se interpreto que o seu Centro Pen Galicia semella ser unha asociación de funcionamento opaco non é unicamente polas razóns evidentes anteriormente citadas (“[…] non existe un modo claro de chegar a saber quen pertence a el, nin quen forma a súa directiva, nin cando se renova esta, nin que obxectivos ten, nin de que recursos dispón […]”), senón tamén pola información de primeira man que me facilitou un socio do Centro Pen Galicia: Xavier Alcalá. Efectivamente, el me relatou como reclamou sen éxito a lista de socios do Pen antes de que se pechase o tempo estipulado para presentar canditaturas, e como tamén pediu que lle confirmasen documentalmente os cargos das persoas que convocaban as eleccións á presidencia, e mesmo de como solicitou os estatutos do club, todo isto sen ningún éxito a día de hoxe, por moito que o teña solicitado por email primeiro e por burofax despois. Se isto non é ser opaco, señor Tosar, entón até o Monte Pindo é transparente. […] Ler mais

Share

“Affaire” Centro Pen Galicia: comunicado da AELG

Comunicado da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega
3/3/2016

Á vista das declaracións públicas difundidas nestes días en que se nomea e verten opinións atribuídas á AELG, o seu Consello Directivo quere facer constar o seguinte:

1. É norma da AELG manifestarse co seu proxecto de traballo e plan concreto de actuación no día a día, perante a súa base asociativa mediante comunicación persoal e directa, e á sociedade global a través das novas tecnoloxías e medios de comunicación, así como dar conta anualmente nas súas asembleas do traballo feito e do estado de contas que sempre foron públicas.

2. Agradecemos os artigos nos que a  AELG ten sido citada en positivo polo seu facer e proceder e nos que, asemade, se evidencia a desproporción entre o traballo colectivo desenvolvido por esta entidade na defensa e promoción do sistema literario galego e as desiguais achegas das diversas institucións públicas do país, fortemente minguadas nos últimos anos, pois non faltan á verdade.

3. Aínda que lle son demandadas, a AELG nunca entrou nin entrará a avaliar as opinións expresadas polos seus máis de catrocentos asociados e asociadas, que entendemos que fan públicas no exercicio da liberdade de expresión cuxa defensa é a razón de ser da AELG.

{AELG}

Nota: Cfr. «Luís González Tosar: “No Congreso de Ourense do Pen Internacional, o mundo coñecerá a cultura galega sen tutelas”»; “Chafallada no Centro Pen de Galicia”; «No reino de Dinamarca»; “A directiva do Pen Club de Galicia pecha o prazo de presentación de candidaturas á súa renovación sen facilitar o listado de socios”; «Por que calamos @s escritor@s?».

Share

“Chafallada no Centro Pen de Galicia”

centro pen galiciaLaduda.net continua interessada por descobrir as incoerências do Centro Pen Galicia. O mistério maior, para mim, é o terrível silêncio que apresa a maior parte da intelectualidade deste país. Hoje, Luís González Tosar ataca-me desde a página Biosbardia sem que ninguém me tenha contactado sequer para me avisar. Enquanto preparo uma contestação apropriada, referencio agora este artigo de há três dias já que por agora o senhor Tosar não se molestou em discutir.

«O MONO SAPIENS / Non son mico de moito falar. Pero o que ven sucedendo no Centro Pen Galicia, delegación no país do Pen Club Internacional, merece un par de toques serios, porque amosa de maneira moi nítida e evidente o que segue a ser este país de trapalladas, enchufados e inmundicias.

A semana pasada celebráronse eleccións para renovar a xunta directiva do organismo, que leva máis de vinte anos dirixida por Luis González Tosar, poeta arrimado ao poder desde os tempos de Manuel Fraga, xa finado, na presidencia da Xunta; e de Xesús Pérez Varela, ideólogo da Cidade da Cultura nos seus tempos de conselleiro, e hoxe fuxido, refuxiado ou retirado, vaia vostede a saber, nas lonxanas terras de Ecuador.

Ao que imos. As eleccións no Pen Clube galego están cheas de irregularidades, contrastadas por este primate con varios socios do mesmo […]». {Ler mais em Chafallada no Centro Pen de Galicia}

Share

Língua materna?

Qual será a minha língua materna, a língua da minha mãe ou a língua que me falava quando menino? E isto aconteceu por que? Por que me dava o leite das suas mamas enquanto me negava a língua da sua boca?

A língua apreendeu-na na escola, antes não sabia nenhuma.

Então, a que por sua vez lhe tinha ensinado sua mãe não era uma língua?

Não, não era. Era apenas a fala das velhas…

Mas a gente falou por milénios essa língua… E se a gente não conhecer a língua das velhas, como se comunicará com elas?

Não te preocupes com isso. Já quase não restam dessas velhas.

Mas… elas são o nosso passado vivo! São as nossas raízes, são as fontes do nosso sangue! São o húmus da Terra!

Aqui ninguém se vira para olhar o passado, nem venera as suas raízes nem respeita as fontes. Quanto ao húmus, apenas produz ervas, e estas somente dão trabalho!

Então a gente foge das velhas e do passado porque representam as penalidades do trabalho?

Isso é. Representam os tempos do trabalho escravo.

Compreendo agora melhor. A minha mãe não me falava galego quando menino porque pretendia salvar-me da escravidão. A minha mãe ama-me, e isso não é algo que eu tenha que perdoar.

{Portal Galego da Língua}

Share