Resiliência

Convidaram-me, como poeta ou escritor de língua portuguesa inspirado no tema dos incêndios, a me candidatar a uma residência (de 1 a 13 de outubro). Desfrutar de doze dias de acomodação no seu apartamento ribeirinho, tranquilo, longe da cidade, incluindo refeições e transporte de Coimbra, era uma tentação tamanha… Poderia concluir a minha estadia apresentando um texto numa festa de arte comunitária multililingue no último dia e colaborar com estudantes internacionais de arte contemporânea durante um workshop de arte específico do local sobre o tema. Enviei por e-mail uma manifestação de interesse com uma breve biografia (menos de 500 palavras) e três textos em português… O resto virá em breve.

Cf. Ponte d’ Arte; @ponte.darte.portugal

Share

by

Alfredo Ferreiro nasceu na Corunha em 1969. Estudou Filologia Hispânica e iniciou-se na Teoria da literatura. É membro da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega e da Associaçom Galega da Língua. Tem participado desde 90 em inúmeros recitais de poesia e colaborado em revistas galegas e portuguesas, entre elas Anto e Saudade, sob a direção de António José Queiroz. Na atualidade é membro do Grupo Surrealista Galego. Como crítico tem colaborado em publicações periódicas impressas como A Nosa Terra, @narquista (revista dos ateneus libertários galegos), Protexta (suplemento literário de Tempos Novos), Dorna e Grial, para além de em diversos projetos digitais. De 2008 a 2014 dirigiu, junto com Táti Mancebo, a plataforma de blogues Blogaliza. Desde 2006 é asíduo dos meios eletrónicos, em que se dedica à divulgação da literatura e do pensamento crítico. Atualmente colabora no jornais Praza Pública e Sermos Galiza. A inícios de 2014 fundou, junto com Táti Mancebo e Ramiro Torres, a revista digital de artes e letras Palavra comum, dirigida ao âmbito lusófono. Desde outubro de 2015 é coodenador do Certame Manuel Murguía de Narracións Breves de Arteixo.

Deixar uma resposta