Homenagem a Eugénio de Andrade

Meu amigo F. D.

Vem o amigo e desatende aquilo que não bem tenho para dizer-lhe. Meu amigo é surdo perante quem melhor devia é ficar mudo. O amigo que me queima e me arrasta por uma encosta fascinante que arde.

Meu amigo é fiel, mas eu nem sei a quem. Talvez a uma musa que me elude e me não concede uma baila, ninfeta decorosa que não quer dançar com velhos corações artríticos e falsos.

Meu amigo conhece uma musa misteriosa que num lugar dança em que o tempo não corrompe nem o baile cansa. Meu amigo tem um poder estrangeiro que me assombra e lhe outorga forças estranhas, uma musa que me recusa, que nalgum lugar recôndito se abre como flor e oferece o seu fascínio, uma musa impenetrável, recôndita e próxima que me atrai até ao abandono extremo, me faz caminhar ao luar e esquecer o lugar em que moro.

Meu amigo guarda um segredo profundo. Um segredo que não confessa para proteger de mim o mundo.

*

Em O sol é secreto. Poetas celebram Eugénio de Andrade. Organização: Carlos D’ Abreu, Luis Filipe Maçarico, Pedro Miguel Salvado. Póvoa de Atalaia, Fundão, Portugal: Câmara Municipal de Fundão e Casa da Poesia Eugénio de Andrade, 2019.

Share

Carral

Um convite da AEC Lacrar de Carral, vila en que me criei, que gustei moito de atender‎ ·

Mártires da Liberdade Carral
Mártires da Liberdade ~ Carral

Cheguei a Carral

colado á roda do carro

do meu pai.

Miña nai facía o almorzo

co leite de Pura

en canto outra Pura

amasaba o pan.

Ese era o eixo

da pureza do Paraíso

cuxo centro era o piñeiral

de augas oleosas residuais.

Ao leste as casas dos Viñas

e ao oeste os Chas,

ao norte o Campo da Capela

e ao sur o alto de Ans.

Territorio amábel e ancestral,

carochas nos xeonllos

sen baixar da bicicleta.

E como lembro

aqueles bicos de verbena

amparados pola Santa

que os tristes socorría

con lúas para os amantes

e para os gulosos empanada!

Ai, Carral, entre fresas e flores

flamante unha cruz de pedra

lembra os Mártires da Liberdade.

Do Barcés á Brexa

e de Paleo a Coiro,

baixo a luz dos astros

medrei sen saber

que rente os meus pés

manaba a forza dun castro.

Ben certo é que ás veces

é preciso marchar

para aprender a amar

aquilo que levamos dentro.

Carral, luz da mañá,

íntimo neboeiro,

camiño de retorno ao centro.

A Coruña, Febreiro de 2019

Share
Praia de Alva (título anterior: "Vaticínio sobre o 20N"

“Empurra-me a lua”

Empurra-me a lua

Empurra-me a lua
pelas escadas abaixo
da vida,
a lua cheia de viço
e de argumentos lunáticos
que se não podem deter
até ao fim de umas escadas
que não cessam
de serem fundas e rijas
para umas pernas cansadas
de descer mais uma vez.
Empurra-me a lua
e não sei responder
uma pergunta intencionada e oculta
que ela me dispara
ao miolo do coração.
Uma pergunta com uma resposta obscura
que só perante o luar
infinito da vida
serei capaz de acometer,
enquanto adormeço indolente
no baloiço sustido
por uma rama noturna
robusta e subtil
que um menino que brinca
desflora enquanto sonha
no cimo do cantil.
Empurra-me a lua
para um sol que não deixa
de rir para mim.

A Corunha (Galiza – Espanha), Dezembro de 2018

*

Poema publicado em prosa na Gazeta de poesia inédita de José Pascoal. Foto: “Praia de Coroso”, 2012. {Cf. Palavra Comum}

Share

O Certame de Narracións Breves Manuel Murguía acrecenta o seu valor en 2019

O prazo terminará o 15 de febreiro

O Certame de Narracións Breves Manuel Murguía de Arteixo [cf. em português], coordinado por cuarto ano por Alfredo Ferreiro Salgueiro, atinxirá en 2019 a 29ª edición, acrecentando nesta ocasión o valor dos premios en máis 1.100 euros.

Resumo das Bases (cf. documento oficial):

Os relatos [entre 15 e 30 páxinas] deben ser orixinais e inéditos (non publicitados por ningún medio, físico nin dixital) escritos en lingua galega, enviados con pseudónimo e só contendo os datos persoais nun sobre fechado antes do 15 de febreiro de 2019″.

Os premios: O primeiro, de 4.000,00 €; o segundo, de 1.500,00 €; e o terceiro, de 600,00 €, todos eles sometidos á correspondente retención. Cando se estimar oportuno, serán publicados nunha edición colectiva.

O Certame conta ano tras ano coa colaboración da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega así como, desde 2017, coa da Asociación Galega da Crítica, tanto na selección dos xurados como na asesoría sobre cuestións técnico-literarias.

Información: Para dúbidas pode telefonar ao 981 659 100 do Centro Cívico Cultural ou escribir a cultura@arteixo.org.

Lembrade, autor@s en galego de todo o mundo, que este premio avoga pola tolerancia gráfica desde a súa fundación, o que garante a liberdade creativa e a ausencia de criterios político-lingüísticos na valorización das obras presentadas. Esta actitude socialmente inclusiva do punto de vista lingüístico é algo que nos orgulla especialmente e gustábamos fose un exemplo a seguir por todos os premios literarios do país.

Alfredo Ferreiro Salgueiro, coordinador literario

*

Vídeos de 2018:

Share

Obradoiro de escritura “Rego da Serpe”, no Clube do Mar

Clube do Mar de Santo Amaro 2019
Primeira reunión no Clube do Mar en 2019

Onte comecei co Obradoiro de escritura “Rego da Serpe” no Clube do Mar de San Amaro, grazas á confianza de Ángel Garmendia, presidente, á xestión de Rosa Destar, xestora cultural, e ao apoio de Dolores Guerrero. O ambiente non puido ser mellor, así que todo vaticinio ten que ser positivo ao máximo. A verdade é que cando nos propomos enfrontar o reto de escribir toda a positividade traballa desde o máis íntimo…

Obradoiro do clube do mar 2019
Share