“Herberto Hélder e a poesia galega dos 90”, por Luís Mazás López

Luís Mazás Lopez: “Herberto Hélder e a poesia galega dos 90”: Neste artigo, quero fazer memória de retalhos biográficos que aconteceram na Crunha dos anos 90… De facto, fui testemunha e partícipe de como se geriu um grupo de poetas herdeiros e continuadores da lírica galaico-portuguesa.

Share

Deixounos Herberto Helder

No pasado 23 de marzo faleceu Herberto Helder, un dos poetas ao que lle dedicamos parte do curso pasado. Na revista Palavra comum un grupo de poetas galegos, admiradores do madeirense, fixéronlle a sentida homenaxe que podedes ler aquí.

Share

Herberto Helder, in memoriam

Ontem soubemos que um dos vultos da poesia europeia contemporânea, o poeta português Herberto Helder, iniciou o caminho de retorno. Se calhar ele nunca chegou a saber até que ponto foi o grande referente da poesia moderna para alguns de nós, neste pequeno país chamado Galiza que, sendo o berço certo da lusofonia, esquece cada … Read More

Share

A partir d’ A morte sem mestre, de Herberto Helder

A morte sem mestre é um livro triste. Tanto, que já me quer parecer que o poeta se tem tornado nas últimas obras um dos poetas mais tristes que deu Portugal. Por isto, ademais de pelo fato de sempre me fazer tremer com cada nova obra, deixo este poema a modo de reflexão ou crítica … Read More

Share

Ofício cantante, de Herberto Helder

Herberto Helder, luz solitaria Escribir sobre a poesía de Herberto Helder remíteme aos anos noventa, cando me atrevía a reclamar publicamente para a poesía galega poéticas surrealistas como as que representaban en Portugal Herberto Helder, Natália Correia, Mário Cesariny e António Maria Lisboa, entre outros. Nada me convencían os argumentos de Henrique Monteagudo e Claudio … Read More

Share