A inefável contradição de José Saramago (apontamentos à volta do processo criativo)

José Saramago, por Rui Rodrigues de Sousa (Desenhos do Rui)

Em verdade é ousado vir aqui falar da contradição de um mestre como José Saramago, eu sei. Mas é para a ousadia que nestes dias, como sempre, nos convoca a Festa Literária de Chaves. Porque, não cabe dúvida, é o medo que devemos enfrentar se queremos seguir o ensinamento de um mestre. Para assim acharmos um dia o nosso caminho.

Na conferência A estátua e a pedra, o nosso autor diz:

«Mas a verdade é que eu duvido mesmo que se possa falar de literatura como duvido que se possa falar de pintura ou que se possa falar de música […]. E é como se eu desejasse que tudo acabasse por limitar-me a uma contemplação muda pela consciência que eu tenho de que, de uma certa maneira, em todos estes domínios da arte da literatura, estamos lidando, estamos tentando relacionar-nos com aquilo a que chamamos desde há muito tempo o inefável. O inefável, uma vez que é inefável, é o que não pode ser explicado, é o que não pode exprimir-se, havendo em todo o caso o cuidado de, a partir disto, não cair em ideias de carácter transcendente onde tudo encontraria uma explicação que seria exactamente não ter explicação nenhuma.»

Saramago não deseja “cair em ideias de carácter transcendente”, e reconhece entrar diretamente no terreno da contradição. Segundo as suas palavras:

«Esta atitude não parece racional, porque não parece racionalista uma contradição à primeira vista e é uma contradição numa pessoa que se considera a si mesmo racional, quer dizer que eu tento fazer passar tudo pela razão. Isto não quer dizer que eu tente também fazer passar pela razão os sentimentos que vivem ao lado da razão, embora não haja grande migração de um lado a outro […].»

Com certeza, afirmar um escritor que a literatura trata sobre o que não pode ser exprimido com palavras é uma contradição tamanha. Porventura, não é a literatura a arte que se exprime através das palavras? Mas a literatura acontece, e até há pessoas, por exemplo o Saramago, fazem desta atividade criativa a sua vida e até têm o máximo reconhecimento mundial. Como é isto possível? A resposta a esta pergunta está na vida do homem, mas não no que ele diz.

Acho que José Saramago tentou, mais do que realmente foi, ser racional. A razão impõe uns limites muito rijos para enfrentar a vida, e como a literatura é um modo permanente de nos aproximar aos mistérios vitais, esta constantemente excede as fronteiras do racional. O escritor reconhece outros planos quando referencia o Fernando Pessoa (o sentir ao lado do pensar), mas para ele funcionam como opostos: «Enfim reportando-nos a um verso do Fernando Pessoa quando ele dizia “O que em mim sente está pensando”, eu propunha que esta frase, no fundo mais um jogo de palavras dos muitos com que o Fernando Pessoa se entretém e nos entretém, em vez de dizermos “O que em mim sente está pensando”, e parece que há de facto uma tendência nessa direcção, talvez devêssemos dizer “O que em mim pensa está sentindo”.» Pelos vistos, não só reconhece dois PGLplanos, senão que entende que o racional está por cima do sentimental. Isto é coerente com se reconhecer racionalista, mas tenho para mim que o discurso a seguir demonstra bem o contrário.

Continua a relatar o seu percorrido literário do seguinte modo: «Acontece que, tendo eu começado a minha vida literária muito cedo, uma vez que aos vinte e cinco anos publiquei um romance que não é bom e que só vinte anos depois voltei a publicar, isto leva muitas vezes algumas pessoas de boa vontade a perguntarem-me se decidi ficar calado durante vinte anos para ganhar experiência, para depois começar a trabalhar com mais seriedade. E eu sempre digo que não, porque ninguém tem a certeza de viver mais vinte anos e seria absurdo dizer “Vou agora esperar vinte anos”, como se os tivesse garantidos para depois disso começar a escrever com mais seriedade. Não foi assim e de resto toda a minha vida foi feita sem planos, sem projectos, sem estratégias, sem definir caminhos para chegar a determinados objectivos e isso tem que ver também e talvez sobretudo com a minha própria actividade literária.»

Saramago partilha aqui a sabedoria do mestre sufi Idries Shah, quando diz que vivemos apoiados em pseudocertezas, e a maior delas é que amanhã seguiremos vivos. Mas estima que o pensamento, quer dizer, a atividade cerebral, é superior ao coração, isto é, a vida sentimental. E aqui é quando o seu próprio relato vital e literário ressalta de modo evidente o pouco racional que na verdade era Saramago:

«Verdadeiramente eu nunca tive projectos na vida, há que deixar isto bastante claro e quero demonstra-lo desta maneira. Se eu, em 1976, quando eu escrevi, quando eu estava a escrever o Manual de Pintura e Caligrafia, tivesse escrito num papel aquilo que eu gostaria de vir a fazer, encontrar-me-ia com uma página branca, quer dizer, teria uma página branca que não seria capaz de encher porque eu não tinha projectos nenhuns para o futuro. Ao contrário de Balzac, e quando eu digo Ao contrário de Balzac é ao contrário em tudo, claro está, e mesmo ao contrário de, por exemplo, Fernando Pessoa, que tem listas, que escreveu listas de obras a realizar, eu nunca tive aquilo a que se chama A Obra a Realizar.»

Então, permitam-me perguntar agora: através de que sorte de racionalidade a sua obra conseguiu florir? Vejamos como lembra a composição de vária das suas obras:

«O Memorial do Convento nasceu duma circunstância fortuita e que eu posso contar-vos em meia-dúzia de palavras, que um dia, estando eu em Mafra, com algumas pessoas que me acompanhavam, ou a quem eu acompanhava, e estando diante do convento, os que conhecem o Convento de Mafra sabem que é uma coisa imensa, enorme, e eu disse em voz alta “Gostaria um dia de pôr isto num romance”. Provavelmente se eu não tivesse dito em voz alta, se eu tivesse pensado e calado, a própria dimensão da tarefa provavelmente intimidava-me tanto que eu não tinha escrito o livro. Só que ao pronunciar em voz alta aquilo que eu tinha pensado duma certa maneira senti-me obrigado perante as pessoas que me tinham ouvido que inevitavelmente me iriam perguntar “Então, sempre escreves o romance sobre o Convento de Mafra?”»

«O Ano da Morte de Ricardo Reis foi publicado em 1984, mas a verdade é que a ideia do Ano da Morte de Ricardo Reis é anterior ao Memorial do Convento. O que acontece é que, enfrentando-me com o Ricardo Reis, que é a mesma coisa que dizer enfrentando-me com o Fernando Pessoa, entrou-me um tal pavor, um tal medo de desafiar as iras dos especialistas do Fernando Pessoa, eu que não tinha diplomas nem atributos nem méritos conhecidos para me meter nesse mundo pessoano, que, tal como terá dito outro, Afastai de mim esse cálice, eu disse-me a mim mesmo, Afasta de ti essa tentação.»

A História do Cerco de Lisboa defende «que os cruzados não tivessem efectivamente ajudado os portugueses a conquistar Lisboa. O que é que o autor que sou eu desta confusão toda, porque reconheço que para um leitor desprevenido, o leitor confunde-se nestes diferentes planos narrativos, quis dizer com isto? Também o autor não tem obrigação nenhuma, nem provavelmente se lhe deve pedir, perguntar o que é que quer dizer com isto. Mas como estamos aqui justamente para falar do que se fez e do porque se fez, então aquilo que eu pretendo dizer é precisamente o contrário daquilo que faria o romancista histórico. O romancista histórico faria romances históricos, e com este livro que aparentemente é o mais histórico de todos, o que eu quero dizer é que a verdade histórica não existe.» Então, escreve esta obra para dizer que a verdade histórica não existe? Onde o racionalismo? Ele até afirma:«A verdade histórica, não é que ela não exista, mas provavelmente existe num lugar inacessível, onde não é possível chegar.» Se não é possível chegar, nunca ninguém terá podido escrever certo sobre a verdade histórica, não é?

E continua assim:

«O Evangelho segundo Jesus Cristo, que é um livro que causou muita polémica e que é responsável por eu estar a viver em Lanzarote, é um romance que pelos ecos que me chegaram foi lido em Israel com uma atenção extraordinária devido, digamos, ao próprio carácter humano da figura de Jesus, profundamente humano, totalmente humano. É um livro que eu não projectei, nunca, nunca me passou pela cabeça vir a escrever uma vida ou reescrever uma nova vida de Jesus havendo tantas e tantas de todo o tipo desde as insultuosas às interpretações malévolas, às críticas ferozes ou pelo contrário ao mais comprometido do ponto de vista do dogma. Enfim, sobre esse pobre homem tudo se disse e portanto parece que não fazia falta um livro mais. Simplesmente eu fui obrigado pelas circunstâncias a escrever esse livro, e as circunstâncias foram estas. Estando eu em Sevilha, e aqui estas coisas ligam-se todas, quer dizer, eu estava em Sevilha com a minha mulher, minha mulher é sevilhana, eu não estaria em Sevilha nessa altura nesse momento se eu não tivesse casado com ela, portanto o livro O Evangelho segundo Jesus Cristo escreve-se porque nós nos encontrámos, escreve-se porque ela era de Sevilha, escreve-se porque eu atravessei uma rua naquele momento determinado, porque sem isso não haveria Evangelho segundo Jesus Cristo. Da mesma maneira que também, enfim, isto só é importante para nós, se nós nos encontrámos e nos casámos foi porque ela leu O Ano da Morte de Ricardo Reis. Portanto há aqui uma ligação entre vida e obra que passa até enfim pela intimidade mais extrema. Ora bem, estando eu em Sevilha e atravessando uma rua na direcção dum quiosque de jornais, olhando em frente porque o trânsito vinha dum lado e doutro e enfim eu tinha de atravessar com bastante cuidado mas olhando em frente e ao lado eu leio, e peço que acreditem naquilo que eu vou dizer, leio distintamente no conjunto de jornais suspensos e de revistas que caracteriza qualquer quiosque de venda de jornais e de revistas, leio distintamente em português O Evangelho segundo Jesus Cristo, Em português, ainda por cima, em português. Passei, atravessei a rua, continuei a andar, dez metros adiante paro e digo, Isto não é possível, mas enfim para saber se era possível ou não voltei atrás para verificar e o que eu vi foi que nem estava Evangelho nem em português, nem em espanhol, nem em italiano, nem de forma nenhuma, não estava nem Jesus, nem estava Cristo. Quer dizer, eu tive uma, não é uma alucinação, não, não vamos pôr a questão assim, eu tive simplesmente uma ilusão de óptica. A outra hipótese é que Deus tenha querido que eu escrevesse este livro e portanto colocou ali miraculosamente, foi um milagre, as letras que depois desapareceram.»

Isto que ele descreve como ilusão óptica também se podia chamar de revelação, ou ao menos de visão. O nosso autor pretendia é ser racionalista e “não cair em ideias de carácter transcendente”, assim que preferia falar em termos exclusivos da Física e da Anatomia. Entendia que a literatura tem o seu alicerce no inefável mas penetrar neste assunto era metafísico demais. Ele gostava de escrever e assim, pragmática antes do que teoricamente, o cometido mais profundo da literatura tinha lugar como um milagre que pode ser vivido sem necessidade de o exprimir.

Saramago retratou a sua família reconhecendo que a sua “atitude de espírito” lhe rogava para que atuasse como vassoura da memória, uma atitude que significava ressaltar através da arte escrita o valor humano da gente que ele amava. Sendo sua humanidade um farol que se erguia por sobre a sociedade para iluminar o melhor dela própria.

Reconhece também que os personagens que ele criou foram os seus mestres de vida, os que mais intensamente lhe “ensinaram o oficio de viver”. E este facto só é possível se entendermos função do escritor como o de um médium, alguém que possui o conhecimento da vida no momento em que por ele passa e só através dele se traduz em literatura, entrando pela cabeça de não sabemos quais ignotos arquivos humanos, sendo providos no coração de emoções universais e ornamentados no cérebro por quaisquer artifícios mais ou menos retóricos, para em fim ser vertido através dos dedos para uma caneta e um papel.

Portanto, essa reconhecida contradição não foi um defeito, não foi um erro, pois foi definitivamente resolvida escrevendo, criando, deixando que toda essa humanidade que ele possuía fosse harmonicamente florescida na comunicação com o outro, deixando o seu coração governar a razão e se abrir passo por entre as sombras do mundo, iluminando mediante a arte aquilo que a musa, tão impossivelmente racional, lhe dizia ao ouvido.

Concluo, portanto, que é difícil ser-se artista e se não ser espiritual. A razão disto ─sejamos ao menos um bocado racionalistas─ é facto de o inefável constituir a essência da arte. O mestre falou e tinha razão, muito embora fosse contraditório. Se calhar, não é possível a arte se não assumirmos essa fulcral contradição. Porque o paradoxo pode bem ser, no fundo, a mais velha expressão poética do inefável.

*

Notas: Palestra de Alfredo Ferreiro Salgueiro na mesa “Reflexões à volta de José Saramago” ~ III Festa da Literatura de Chaves (14 a 17 de novembro de 2018); Cf. “Uma conversa com José Saramago”; Caricatura de Rui Rodrigues de Sousa (Desenhos do Rui).

{Palavra Comum}

Share
Plantar Rosas na Barbárie, por Luís Serguilha

«Plantar rosas na barbárie», poesia da falésia

«Pois bem, que assim seja! Que minha guerra contra o homem se eternize, já que cada um de nós reconhece no outro sua própria degradação… já que somos ambos inimigos mortais. Quer deva eu conseguir uma vitória desastrosa ou sucumbir, o combate será belo; eu, sozinho contra a humanidade».
Lautréamont, Cantos de Maldoror

Plantar Rosas na Barbárie, por Luís SerguilhaTodos o poemas do livro de Luís Serguilha semelham um único objeto mutante, como que evidenciando as inúmeras perceções que experimentamos do mundo. Há nesta obra um combate contra a moral poética, um desacato ao sentido institucional do verso, e não só da perspetiva formal – por escrever poesia em prosa – , mas também quanto ao sentido percebido, que se torna um autêntico e constante torvelinho semântico. E há até um combate frontal contra a Academia e seus carros de combate, quer dizer, os géneros literários. Devido a isto, já nos atrevemos a vaticinar que o sucesso crítico não vai vir dos âmbitos mais institucionais, ou o que é o mesmo, das retículas clientelares do sistema literário.
Porque Plantar rosas na barbárie implica uma reflexão profunda sobre a nossa perceção do mundo e, neste quadro, mediante a amostra de tantas relações em convívio louco e frutuoso, defende a impossibilidade poética de aquela perspetiva eminentemente racional a que o Sistema pretende vincular-nos. Nada há no mundo de verdadeiramente interessante que se possa perceber racionalmente. Ao contrário, todo o que nos interessa realmente é misterioso, paradoxal, proibido pela moral ou a lei, impronunciável, inabarcável, imensurável… mas profunda e definitivamente desejável.
O desejo e sua fome permanentemente insatisfeita é um dos alicerces desta escrita em que tudo pretende abarcar-se, poetizar-se, mas nunca caçar-se, possuir-se ou controlar-se. O discurso literário surge como nascido de si próprio, e em plena liberdade desenvolve-se mediante um efeito de autogeração mágica. Nada parecido como as fórmulas catalogadoras do Poder. Nada, portanto, desejável para ele. Tudo, como acontece na vida, sempre a bordo da falésia.

{Palavra Comum}

Share

Eufeme ~ magazine de poesia

Este ano que está para terminar, tem-me proporcionado muitas emoções, embora não todas sim algumas delas muito positivas. Entre elas, no quadro das sempre adoráveis visitas às amigas e amigos portugueses, foi das melhores ter conhecido a revista Eufeme ~ magazine de poesia e o seu responsável, Sérgio Ninguém, através do que desde há dúzias de anos foi o meu factotum das relações lusófonas, o inspirado e insuficientemente reconhecido poeta Amadeu Baptista.

No número 5 (já esgotado, segundo a editorial) desta formossísima revista portuguesa podem encontrar-se, para além do meu, outros de nomes que bem conhecerão ou deveriam conhecer, se gostarem da boa poesia: Ana Horta, António José Queiroz, Domingos da Mota, Edgardo Xavier, Eduardo Bettencourt Pinto, Eduardo Quina, Francisco Cardo, Gilles Fabre, Gisela, Gracias Ramos Rosa, Jack Galmitz, Jorge Arrimar, Lee Gurga, m. parissy, Maria F. Roldão, Mila Vidal Paletti, Rui Tinoco, Sónia Oliveira e Zlatka Timenova.

Os poemas que publiquei e aqui apresento constituem um avanço do meu novo livro Teoria das ruínas, em breve no prelo da chancela portuguesa Poética Edições, da escritora e já amiga Virgínia do Carmo.

*

CAÇADOR

Nada me compraz tanto observar
como a dourada luz dos astros a desenhar
a placenta embalsamada do mundo.
Num tapete de animais remotos sentir
a força gravitante da espinha dorsal
no percurso de uma dança antiga.
Cantar coa copa cheia
de sangue ritual,
indicar com precisão o lugar
de uma doença velha,
saltar o valado para o primeiro amor
e principiar a vida nesta vida,
no redondo horizonte
de um mar em calma.
Porém, eu sou,
fugitivo da injustiça,
um homem que rouba em sua casa
e logo se perde na névoa
do seu próprio jardim.
Caçador de sonhos,
mato sem sabê-lo
as peças que alcançaram refúgio
no meu coração.

* Read More

Share
http://www.youblisher.com/p/1534172-Indico-N39/

Mia Couto convida… Hirondina Joshua: “Só a poesia lê o mundo”

«Nesta rubrica apresentarei os valores novos da literatura moçambicana.
A primeira escolha recaiu sobre Hirondina Joshua, uma jovem poeta ainda sem livro publicado mas já um nome de referência naqueles que estão fadados a manter viva a herança dos nossos grandes poetas como José Craveirinha, Noémia de Sousa, Heliodoro Baptista, Eduardo White.
Conheci a obra de Hirondina antes da pessoa. Era visível por aqueles primeiros textos que me chegaram que a poesia habitava aquela alma.
Quando, por fim, conheci a mulher fiquei surpreso, Magra, quase sem corpo. Tímida quase sem voz. Hirondina Joshua Os Ângulos da Casa 300pxDepois, se percebe: a energia de Hirondina está toda na palavra. Desde 1987, ano em que nasceu, esta moçambicana olhou o mundo pela janela da sensibilidade poética. As profundas rupturas e transições vividas por Moçambique pediam um olhar que apenas a poesia pode dar conta.
Um livro de Hirondina Joshua anuncia-se para breve. Valerá a pena ler esses poemas e todos os outros que se encontram publicados em revistas e jornais. É esta vencedora de uma menção extraordinária do Prémio Mundial de Poesia Nósside na sua edição de 2014 que tenho o gosto de vos apresentar. São apenas dois dos poemas breves mas que, estou certo, são emblemáticos da qualidade da escrita poética de Hirondina.
Talvez esta poesia nos ajude a todos a ler o nosso próprio país.»

*

Prelúdio
Como é que se escreve um olhar?
E um devaneio, sabes?
Para quê é preciso um coração? E uma alma o que é?
Diz-me se sabes a cor do vento.
A paixão com que o mar nos prende.
Diz-me e por favor não poetizes nem filosofes.

“Alquimia do fogo” 2
Repara no que há dentro do fogo antes dele arder.
Não olhes as cores lentas do vermelho, laranja, amarelo nem as azuladas que se deixam fazer no brilho da luz.
Vê esta substância intáctil nos poros da retina. A nudez que se veste nesta condição.
Repara dentro, bem a fundo a mestria com que se tece um coração alado.

{In Revista Índico, nº 39, pags. 84-85, Setembro-Outubro 2016}

Share
A razão do perverso, de Mário J. Herrero Valeiro

A propósito d’ A razão do perverso, de Mário J. Herrero Valeiro

mario-herrero-a-razao-do-perverso-300O poemário começa com aquilo que é interdito, como sendo os “mandamentos” do poeta do nosso tempo, aqueles de uma religião imposta: “nunca comerás terra / nunca beberás leite / nunca escreverás / sobre o sexo do país / nunca lamberás / as conas das poetas / nunca buscarás / as suas cuecas / entre as néscias palavras, / nunca vomitarás / no umbigo / do nosso Octavio Paz.” E isto dá pé para questionar uma consciente e necessária ação política: “quebrar para sempre as inércias do país”.

A seguir, a destruição, a decadência, a frustração se manifestam até ao ponto de amor e poema tender a desaparecer. Uma dor inevitável, essa da vida do indivíduo como a da nação, sempre semelha uma tragédia: “o meu corpo a arder sobre a terra”. Mesmo o país se tornou tão funesto que a língua houve de o abandonar: “partiu a língua, / foi a primeira a fugir”.

Até o passado que podemos lembrar, aquilo já perdido, só é uma “passagem pelas sombras”. E assim o niilismo invade definitivamente o livro: “somos poetas do nada”; “nada permanecerá no teu corpo… nada no teu país… distante e atroz o teu país”; “ não me custa não estar, / não ter terra, / não te amar”. Porque o amor se torna algo impossível numa sociedade tão doentia, em que a poesia não encontra espaço para florescer: “gritavas pedindo versos”; “não escreverás mais, / esse foi o castigo” e a verdade escasseia mesmo no íntimo do poeta: “porque nada em mim / é verdade”. Assim as cousas, é da dureza do mundo que é preciso escrever para “esquecer as vísceras, / as vísceras das crianças / sobre a areia”.

Existe, sim, erotismo neste livro, mas faz parte das diversas experiências humanas que este mundo corrompe, ultraja e contamina, não sendo mais do que parte do tecido habitualmente falso desta vida pervertida por uma razão que converte tudo em “quase-nada”, entre a frustração do que deveria ter sido e o pouco valor do que é. Um mundo que não pode evitar produzir constantes psicopatias (“sou a mão demente / a assinar o papel”), ajustes de contas, os agravos a causa da “falácia, uma lenta desforra por uma idade interminável de vergonha”, o sentimento de vulnerabilidade por “esta língua ruim e cativa / com que descrevo a miséria”. Agora, quando se revelam como protagonistas a vingança, o desterro, as ruas sem luz, os lábios que beijam a poeira das pedras, percebemos que o erotismo à la page do poemário é escasso, salvo que se poda falar de novo da erótica do poder ou, neste caso, da erótica da crítica contra o poder: “o desejo foi conceber uma erótica dos povos, / um orgasmo grupal, / uma hecatombe”, ou quando “os teus lábios lambem o universo”.

Na parte final do livro, resulta evidente a crítica do corpus literário aprovado pela intelligentsia galeguista, caracterizada por uma visão pequeno-burguesa e portanto falsamente proletária. E aqui influem, quer-me parecer, alguns dos grandes erros do nacionalismo pseudorevolucionário: a) que o nacionalismo precisa de uma burguesia galega na prática inexistente; b) que aquele modelo de revolução precisa de um proletariado igualmente inexistente, dado que uma maioria de trabalhadores rurais possuem de certo modo uma mentalidade pré-industrial, se não declaradamente feudalista.

É portanto, um livro eminentemente político. Existe nele a denúncia de um galeguismo nacionalista maioritário que se rege por esse comportamento partidário de consignas e capelinhas, e que se permite proscrever fórmulas regaleguizadoras como o reintegracionismo. Lembro neste momento as declarações do Almada Negreiros em 1968 a respeito da geração anterior à sua: “Os jovens da Orpheu fomos maltratados pela geração anterior ao Orpheu, que nem sequer nos supunha. Então, porque nos combateram?”.

 O escritor Luiz Pacheco, ignorado pelas enciclopédias e desconhecido nas Faculdades de Letras (podemos acrescentar: hoje com toda a sua obra inacessível porque esgotada), é responsável pela edição da melhor poesia portuguesa, embora fosse sempre considerado um “bobo da Corte”. Para ele existiam três tipos de literatura falsa: a) a literatura “abençada”, que consiste naquelas obras dos grandes nomes que periodicamente devem vir à luz no mercado, e que respondem mais a uma “exploração do nome” ou mesmo à prostituição da escritura; b) a literatura de casino, que é “a que salva os prémios”; c) a literatura de consumo, aquela que é pensada para “ter em casa”.

 Nesta linha, uma verdade que a este livro subjaz é que a literatura galega atual está alicerçada no reconhecimento a muitos autores que na realidade têm um talento essencialmente político, ou ao menos um talento para as relações públicas, factos que propiciam que tenham atingido uma projeção por cima da altura real das suas obras: “quando tudo vale, / nada tem mérito”, “quando tudo é arte, / deus dá por conclusa / a sua obra”, “porque quando tudo vale, / a única forma é não estar / guardar os cadernos, / preservar o pénis / debaixo das calças / e, silenciosamente, / desaparecer”.

E dizer isto não comporta necessariamente inveja ou um pacato desejo de não deixar medrar o fruto na leira do vizinho. É, na realidade, afirmarmos que vivemos na falsidade, dizermos mais uma vez que o rei caminha despido embora a maioria louve a vestimenta real, é reconhecer que não resolveremos os problemas do país alimentando os egos das elites.

Não se pretende, porém, desmascarar os falsos méritos literários do pessoal quanto reconhecermos que no pobre caldo da literatura atual existem restrições, censuras e intolerâncias profundamente antidemocráticas para os escritores de diversa raça gráfica, de epiderme cultural diversa à pretensamente “normalizadora”, o que faz com que dia após dia nos tornemos, absolutamente todos, menos normais.

A literatura galega reintegracionista, não só a poesia, continua, nesta cacarejada democracia, num interregno, quando não sofrendo um autêntico apartheid. Por isso é que somos descrentes deste mundo em que o mais importante semelha decidir que capelinha governará a Real Academia Galega. Depois chegam mesmo estrangeiros bem intencionados, amadores da cultura galega “autêntica” a quem devemos agradecer sua atenção embora partam suas exigências, aparentemente objetivas e científicas, de um erro insuspeitado por eles: o galego, em seu uso quotidiano e vulgar, como experiência vital comum, não é uma língua. E isto é corroborado cada dia pelo seu uso nos jornais, no mundo da empresa, na ciência e nas legislação.

Hoje, no quadro da crise económica ocidental e da crise política espanhola, as contas não dão certas para a língua do país e aquela pretensa “normalidade cultural” que devia era dar reconhecimento a uma nova e extensa vaga de vultos intelectuais e criativos revelou uma nova época em que a carência de recursos faz mais violenta a luta das capelinhas culturais perante os restos do que pode ser o definitivo naufrágio cultural. Não devemos esquecer que a nova democracia espanhola se baseia num “pacto de silêncio” a respeito dos crimes da ditadura, e é esta cultura do silêncio face à repressão que educou várias gerações e ainda contribui para que a própria democracia não floresça, e que mesmo o retorno à perda de direitos civis seja tolerada. Nesta ordem de cousas, a ocultação das obras reintegracionistas não resulta estranha no contexto dos habituais e irresolutos conflitos culturais do estado espanhol.

Ao tempo, o reintegracionismo organizado progrediu como? Embora era marginalizado por questões de forma, promoveu atitudes positivas de divulgação de conteúdos interessantes. Assumiu o paradoxo e avançou graças a ele: se os seus inimigos o castigavam a causa da forma, ele privilegiou os conteúdos. É aqui, portanto, que devemos situar a obra de Mário J. Herrero Valeiro, membro da Academia Galega da Língua Portuguesa, tradutor juramentado de português e vencedor com sua particular língua nortenha no Prémio Internacional Glória de Sant’ Ana para obras lusófonas. É nesta vontade insubmissa e abertamente galeguista em tempos de alinhamento e uniformização intelectual bizarra, que a obra do Mário Herrero ressalta, para além de na sua arte, como profundamente comprometida e contestatária.

*

Notas: Este livro venceu o X Certame de Poesía Erótica Illas Sisargas em 2015. Outras referências: “da prosaica grossaria (a razão do perverso – poemas descartados), por Mário Herrero”; “Política da carne: A razão do perverso de Mário Herrero Valeiro”; “‘A razão do perverso’ é um livro formalmente erótico e também é uma crítica do sistema literário galego”.

{Palavra Comum}

Share