A propósito de Sefer Sefarad

Pedro CasteleiroEscrever sobre este livro ou sobre um autor como Pedro Casteleiro, que palpita e sente muito antes do que pensa e descreve, só pode ser qualificado de ousadia poética. Lembro quando o conheci, de chapéu e agasalho comprido e entre todos os viageiros destacado como um Fernando Pessoa de um qualquer país afastado de si próprio, um país que sonha e semeia um tapete de poemas que poder pisar no dia da redenção vindoura. E ele de chapéu e de agasalho ali sentado, logo a olhar para mim e para o meu chapéu e o meu agasalho grisalho, como arribando exatamente ao mesmo país afastado que ambos os dois desejávamos enlouquecer. Duas Pessoas equivalentes iniciando a viagem da capital do mesmo descontento para toda a esperança de um Fernando, de chapéus e agasalhos e canetas prontas para ser disparadas num ulterior enfrentamento com a razão, aquela que prende e sujeita as mãos do coração contra as costas de um monstro medonho.

Sefer Sefarad, de Pedro CasteleiroMais de vinte anos têm passado desde aquele dia no Castromil de Santiago à Corunha, mais chapéus, mais agasalhos e o doce licor da amizade por entre os mil rios da cidade cúmplice do nosso anseio secreto, do nosso anseio repetido como uma litania a lume gravada entre os versos de pedra que, na irmandade do ofício, nos é dado lavrar. Hoje escrevo porque ele fez amor e fez poemas e deu a lume um livro, e o livro é menina e foi a toda a comunidade exposto para público conhecimento, e agora existe e a gente sabe, e já pode ser ignorado. Porque o triste fado deste país afastado de si próprio é ignorar aquilo que é mais prezado, por nunca ser compreendido ou por nunca no alto cimo do convencional ser desejado (isto sempre se cumpre aqui ao menos por setenta anos).

Mas não nos importemos com isso, pois é a hora de celebrar uma miríade de elevados versos e profundos sentimentos, com “meia-lua do silêncio crepitando na garganta”, na “nossa incontestável ambição para as sombras”. Ó amiga e atrevida leitora, “deixa a barca deixa a esteira luminosa cumprir a sua secreta migração” e observa as “estalactites que o coração estagna na habitação do alento” e a “velha amante amanhecida no meu peito”; porque “quando é que chamas, à noite, negro afluente de que me transborda a voz?”, quando é que bailais, “prisioneiras do nada”, quando perfumais “com ópio os velhos túneis da palavra”?; dizei-me onde é o “acampamento dos meus braços perenes” e “como voar e cantar e crescer altos e definitivos sobre o lume”, pois já o “diamante que espera na turbulenta biosfera” é “uma única voz pelas destilarias do nada”.

Agora vistes, amigos, como já nem sei falar sem plagiar o escrito, até porque a sua força me invade e gostava que conquistasse o mundo, em feliz andaço a fertilizar montes e prados até o plácido entardecer dos fungos. Mas os tempos são convulsos e estes poemas, sendo poderosos, não têm o poder que só alguns querem ver. Porque estes versos nasceram com o vigor de uma pura e sagrada matéria e por isso se fazem invisíveis enquanto tocam, sem se aperceberem os mais lestos, uma música celestial tão só dedicada aos doidos. Sim senhores, a vida é dura para os que seguram dinheiro onde deve florescer o amor, e por isto eles não vão sentir a graça. Olharão para o lado e passarão à beira de uma vibração para eles imperceptível, um epicentro que em Sefer Sefarad está a ter lugar como uma maré que sem cessar caminha. Algo do que nos teremos que desde hoje orgulhar, recetores privilegiados, porque sendo obra de um único homem é para muitos que foi cultivada, porque vindo de umas mãos que morrem o seu fruto se ergue perante o sol e sobre pradarias do tempo.

{Palavra comum}

Share

Xabier Docampo presentou A illa de todas as illas nas Portas ártabras

Edicións Xerais: “A illa de todas as illas narra a aventura de tres rapaces, nunha illa deserta que non ten nome, pero a que todos chaman Navalleira. Puxéranlle ese nome os mariñeiros, porque nela había moitas navallas; pero agora, segundo lles conta o patrón do barco que os leva alí, só quedan brétemas mestas e espíritos. Algúns mariñeiros que chegaran á illa buscando navallas volveran a terra dicindo que escoitaran voces e que viran xentes que lles falaban en todas as linguas do mundo e que vestían como os que veñen nos libros antigos. Xabier P. DoCampo quixo render tributo con esta historia a todos aqueles fermosos libros de aventuras cuxas historias sucedían nunha illa deserta ou aparentemente inhabitada, obras que mantiveron, como di no epílogo, «o meu corazón alterado, as miñas emocións abrollando coma fontes da alma e moitas horas entregadas á lectura cando llelas tiña prometidas ao sono ou ao estudo».”

Tati Mancebo asistiu ao acto e gravou este vídeo para a ocasión.

Share

O Grupo Surrealista Galego nas Portas Ártabras

A maioría das persoas que poden agora ver este inspirado video do compañeiro Tono Galán poderán facerse unha idea do que foi aquela noite nas Portas Ártabras, un lugar cativador pola súa querencia á Pedra e á Arte. Non foi unicamente a presentación do excelente libro Esplendor arcano do caro amigo Ramiro Torres, senón un paso máis, e non pequeno, da investigación poética que o GSG tenta levar a termo en todos os seus actos públicos.
A ninguén sorprende observar que nos últimos tempos os recitais poéticos máis atraentes son aqueles en que se abandona un estándar demasiado formal. Neste sentido algúns grupos de poetas teñen avanzado no carácter oral da poesía até o punto de convertela en parte dun espectáculo que se desenvolve no ámbito da canción ou do teatro. É esta unha volta á oralidade ancestral da poesía que resulta moi agradábel, mais que nada ten a ver coas pretensións do Grupo Surrealista Galego.
Efectivamente, no GSG nada estamos a facer por actualizar un xénero literario, nen ficamos preocupados coa aceptación maioritaria dos nosos actos públicos. Os nosos obxectivos están nun outro lugar, un lugar misterioso. E non é misterioso porque nós pretendamos ocultalo, senón porque ese Misterio é mesmo o obxectivo da nosa actividade, que por súa parte non é misteriosa, senón pública como vimos de recoñecer aquí.
O Misterio é o obxectivo, e sobre el pretendemos deitar luz. Por iso nos nosos actos nos esforzamos por saír do convencional e deixarmos que o Misterio se apresente, ele mesmo, aínda que chegue envolto ao noso pesar no encobrimento que lle é propio. Nós tampouco destacamos por sermos os máis sorprendentes de todos, iso sería propio de alguén que pretende vender algo, algo aparentemente novo que non for máis que o de sempre vestido con roupas adquiridas nun falso futuro. Nós queremos ser do presente, e é por isto que non podemos máis que convocar a Musa, ou a Deusa antiga que todos os nosos actos preside, esa alma que non pena senón que nos ilumina por dentro sempre que o corazón se abre para deixar fuxir a treboada e dar abrigo á harmonía que a Poesía ofrece.
É, necesariamente, un acto máxico ancestral o que se pretende, e isto non se pode describir en termos de actualidade, e moito menos predicir. É algo que se procura, é algo que hai que ter vontade de atopar.

{GSG VIDEO ESPLENDOR ARCANO from MrEIDANPELIS on Vimeo. Un vídeo do amigo do GSG Tono Galán}

Share