Visita á Escola Mestre Mateo

Escola Mestre Mateo ~ Alfredo Ferreiro, 2018

Poucos lugares hai tan cheos de poesía como unha escola de artes. Eu, que estudei unha carreira de letras a causa do meu interese pola creación literaria, sei moi ben canto estudo non creativo, de pura memorización erudita, filolóxica e histórica, tiven que tolerar para formarme minimamente na análise literaria, aquilo que realmente me axudaba a entender a poiesis, é dicir, a creación. Unha ciclópea erudición, mecánica e cuantitativa, abafou durante aquela vida universitaria as miñas ansias de poeta, que houberon de procurar o seu espazo no perímetro dos estudos oficiais. Por iso a visita recente que tiven a honra de facer á Escola de Arte e Superior de Deseño Mestre Mateo de Santiago de Compostela me foi tan grata. Porque alimentou directamente as miñas raíces de creador, como se unha árbore que andase polo mundo procurando un terreo fértil —permitídeme a viaxe onírica— por fin atopase un espazo con nutrientes compatíbeis para o seu crecemento.

Escola Mestre Mateo ~ Alfredo Ferreiro, 2018

Nesta visita, o primeiro que tiven a honra de presenciar foi unha reunión de traballo do grupo GALTEO, o equipo de dinamización da lingua galega. Arredor dunha mesa desfrutei do privilexio de ver nacer un proxecto novo, xestado no corazón para logo ser imaxinado na cabeza e puído polas mans de persoas que traballan pola lingua, pola arte e, en definitiva, por que non dicilo todo, pola saúde espiritual da sociedade.

Non esquezamos que o camiño espiritual é algo así como o estudo dos misterios da vida, e que nada trata mais directamente sobre eses misterios que a propia arte, elemento fulcral do conxunto das Humanidades.

Mais o humanismo patente que me embriagou durante a visita estaba presente en cada recanto, en cada sombra que albergaba unha ferramenta, en cada residuo de madeira, metal ou pedra, en cada traballo de modelado abandonado quen sabe cantos anos hai, ás veces ao lado do último esforzo en curso. Todo isto era absorbido por min en cada un dos talleres que visitei: o do téxtil, o da fotografía, o da pedra, o da madeira, o do modelado, o da xoiaría, o da forxa… En todos e cada un latexaba o eco dun proceso humano que se perde na noite dos tempos e que comeza coa inspiración, pulmonar e sagrada, que dá lugar ao xermolo dunha idea, que continúa coa xestación da mesma na intimidade da alma creadora, que precisa do coñecemento dunha técnica mais que ao tempo pretende superala nun atrevemento vangardista que, se tiver éxito, honrará a tradición sen deixar de mostrar un horizonte novo. O vello e o novo a danzar nunha representación desta nosa vida que é mutación permanente, variación que non cesa sobre as necesidades básicas.

Escola Mestre Mateo ~ Alfredo Ferreiro, 2018

E todo o traballo que alí día a día se dá, e que nunha breve visita como a que eu, cidadán privilexiado, puiden imaxinar, estaba a ser presidido pola figura do Mestre Mateo. Lembrei entón cantas veces na miña vida, mentres paseaba polo mosteiro de Carboeiro, á beira do Deza, imaxinei o grande mestre dirixindo os traballos daqueles discípulos que probablemente esculpiron os vinte e catro anciáns que tocan instrumentos acompañados pola percusión do río nas pedras. E agora estaba na capital do Antigo Reino diante das mestras e dos mestres de hoxe, a traballaren con discípulos que só desexan cumprir co seu destino de artistas e pór o seu talento a disposición do seu espírito e do mundo, mesmo sen saberen que ao se entregaren dese modo están a comprometerse con unha das tarefas máis sagradas que existen. Porque nada hai máis sagrado que a creación. E porque o da artista é un oficio que consiste, esencialmente, en ser humano.

{Praza Pública}

Share

Agustín Fernández Paz, esse matriota

Fico farto de tanto patriota. De tanto agente intelectual que trabalha a pátria desde a concorrência, o estabelecimento de capelinhas, de privilégios, do pedigree sustentado em influências, na perpetuação no poder e na conivência com os chiringuitos. É uma atitude patriarcal que tolera o autoritarismo e faz sucumbir os sentimentos de irmandade, companheirismo e solidariedade (cfr. Cartas a Emilia Pardo Bazán, de Teresa Barro). É de fato o que o sistema antidemocrático espanhol precisa para subsistir sob o ténue manto da democracia. […] Ler mais

Share

Enfim, a contestação do Centro Pen Galicia

centro pen galiciaA tentativa de debate sobre política cultural que comecei em 27 de janeiro chega a termo. O Centro Pen Galicia, a quem inicialmente tomava como exemplo de opacidade na gestão e me servia de pretexto para denunciar a indigna situação económica e os agravos comparativos com que a Conselharia de Cultura, Educación e Ordenación Universitaria e a Secretaria Geral de Política Lingüística distribuem irrisórios e até insultantes contributos, publicou uma contestação à minha carta aberta.

Quase nada resta por dizer já, ao menos pola minha parte. O Centro Pen Galicia estima que não funciona de modo opaco e mesmo se defende de acusações que não creio ter dirigido contra ele, mas contra os diversos governos e instituições galegos: o “agravo comparativo”, que acho evidente se comparadas as atividades com as da AELG e tendo em conta que recebe esta as mesmas ajudas. Também não creio o ter acusado de “inatividade” nem de qualquer “trato de favor” que, dado o caso, teria acontecido também de parte de quem concede apoios económicos em virtude de uma tabela dada de méritos.

[…] Ler mais

Share

Carta aberta a Luís González Tosar

centro pen galicia«Diríxome a vostede despois de ter lido os comentarios que fai sobre min nunha entrevista que lle dedica César Lorenzo Gil no blogue Biosbardia. Como observo que semella non ter entendido as miñas pretensións ou non poder evitar tirar conclusións inxustificadas, tentarei explicarlle con máis clareza algúns extremos.

En primeiro lugar, se interpreto que o seu Centro Pen Galicia semella ser unha asociación de funcionamento opaco non é unicamente polas razóns evidentes anteriormente citadas (“[…] non existe un modo claro de chegar a saber quen pertence a el, nin quen forma a súa directiva, nin cando se renova esta, nin que obxectivos ten, nin de que recursos dispón […]”), senón tamén pola información de primeira man que me facilitou un socio do Centro Pen Galicia: Xavier Alcalá. Efectivamente, el me relatou como reclamou sen éxito a lista de socios do Pen antes de que se pechase o tempo estipulado para presentar canditaturas, e como tamén pediu que lle confirmasen documentalmente os cargos das persoas que convocaban as eleccións á presidencia, e mesmo de como solicitou os estatutos do club, todo isto sen ningún éxito a día de hoxe, por moito que o teña solicitado por email primeiro e por burofax despois. Se isto non é ser opaco, señor Tosar, entón até o Monte Pindo é transparente. […] Ler mais

Share

A nosa cinza ou ainda a nossa brasa?

Desenho de Manel Cráneo

Continuamos a ver a progressão de Manel Cráneo e não deixamos de sentir-nos maravilhados conforme o mundo plástico inspirado pola obra de Xavier Alcalá vai nascendo. O trabalho do artista, de cujo talento já todos temos muitas referências, vai encarnando um guião que com dificuldade sintetizamos a partir de uma miríade de cenas que ressaltam pola sensibilidade humana e a olhada crítica de uma sociedade marcante no seu fundamentalismo ideológico. Uma sociedade da que, sem dúvida, esta que nós vivemos é filha ou ao menos neta. Um mundo que devemos compreender para melhorar.

«[…] Malia o seu éxito dende a súa publicación en 1980, a aparición d’A nosa cinza non foi sinxela. Demorouse no tempo por mor da censura. “A primeira versión estaba rematada en outubro de 1974. Nese momento leveilla a Galaxia. E Piñeiro díxome: “isto a censura non o deixa pasar nunca”. Deixeina estar un tempo, retomeina en 1976 e tiña que publicarse dous anos despois. Pero o proceso de edición, naquela época, tiña outros tempos. Así tardou até 1980”, lembra o propio Alcalá quen, 35 anos despois, ve como a súa obra dará o salto á novela gráfica da man de Manel Cráneo. Participa no proceso creativo, mais dende un segundo plano. “A novela é miña, pero aquí o artista será Manel Cráneo. Eu falo con el, trato algún temas, contrastamos opinións e eu limítome a corrixir algún anacronismo que poida haber no debuxo, pero o produto final, a obra será súa”, explica Alcalá, para quen Cráneo é a opción idónea para levar a cabo o proxecto. “Como ilustrador traballa dous estilos moi diferentes. O primeiro, ten un trazo caricaturesco. O segundo, móvese nun realismo moi claro. E esa vertente realista súa é a que me parece perfecta para A nosa cinza”, conclúe.

Aínda que Alcalá recoñece que a obra será de Cráneo, non deixa de ser verdade que, ao longo do proceso, non falta o traballo en equipo. E a colaboración non se limita unicamente ao tándem Alcalá-Cráneo, xa que Alfredo Ferreiro encargouse de realizar o guión literario a partir do cal o ilustrador desenvolve o traballo. “Temos correspondencia constante, falamos constantemente e comezamos, fai un tempo, realizando os tres un roteiro polos escenarios nos que transcorre a acción. Aquela experiencia inicial foi moi importante para o meu traballo”, matiza Cráneo […]». {Praza Pública}

 

Share

Exercícios bio-saudáveis

Exercicios biosaudaveis_AFerreiro

Fotografia de Alfredo Ferreiro (Outubro de 2014)

«Acarão da igreja românica de Breixa há um sarcófago de pedra. Pertence ao passado da aldeia como mais adiante a outras a ponte medieval da Carixa ou o pórtico do mosteiro de Carvoeiro. Foi achado numa leira que hoje alberga o campo da festa, onde os paisanos dançam, bebem, comem e cruzam na procissão portando a figura do apóstolo Santiago (outrora o santo local era Bartolomeu, de que ninguém sabe se emigrou e se maquina a vingança).

Da igreja chama a atenção o abside e os capitéis com motivos zodiacais. Mais isso acontece enquanto não tangem os sinos, que fazem com que toda a paróquia vibre como um grilo aprisionado numa gaiola de som. Do outro lado do campo da festa é o tele-clube, uma casa de convívio para as atividades dos aldeãos, um antigo prédio que hoje serve para jantarem e fazerem cursos onde outrora a gente nova olhava westerns em Technicolor. […] Ler mais

Share

Meninas que inspiram

«[..] Uma menina volta da praia, sob o crepúsculo, com a mãe. Chora por nada, porque queria ter continuado a brincar […]». Este trecho de Patrick Modiano, sem dúvida justificado no relato de que faz parte (Rue des Boutiques Obscures, Paris: Gallimard, 1986, p. 2491, via Confraria do vento), traz para a mesa que as crianças costumam chorar por nada cada vez que são privadas de brincar contra a sua vontade. E eu, por mais que penso, duvido se a salvaguarda dessa felicidade, se o desejo de continuar a ficar na excitação do jogo em que tempo e espaço se fundem e mesmo o latejar do nosso coração se sente uno com o dos outros, com tudo o que respira e até mesmo com a terra, o céu e o mar, é um rasgo de infantilismo que devemos quanto antes erradicar da nossa vida. Porque são momentos de comunhão com o mundo em sua múltipla variedade, momentos em que tudo funciona e mente e corpo vivem em total harmonia, por isso deveriam ser respeitados como transparentes fontes de sabedoria. A partir desta imagem inicial, é fácil lembrar todos aqueles de tempos pretéritos que desfrutavam imenso com a presença de crianças, como que ressaltando que o jeito destas enfrentarem o mundo, quer dizer com a máxima cordialidade no aqui e no agora, é um caso de conhecimento infuso ainda não apagado pela educação e a maturidade.

No mesmo sentido, quero agora descrever o caso de uma sobrinha nossa que se chama P. Sobre ela, a família habitualmente diz: “P mora no seu mundo”. E isto é porque responde agilmente e com sinceridade aquilo que nitidamente deseja, julga justo ou relaciona com a sua realidade imediata. Deste modo os adultos implicitamente reconhecemos não aceitarmos um modo de entender e relacionar-se com a realidade que não situa em primeiro termo as limitações comuns, as normas, as punições e as frustrações que habitualmente assumimos para um modo de proceder aceitável. […] Ler mais

Share

Orgulho de neofalante

orgulhoneofalanteSou novo falante de galego desde que decidi assumir como própria a língua que a minha mãe, que deseja sempre o melhor para mim, escolheu não me transmitir. Rejeitava ela a fala que tinha aprendido com a família, e que se vinha falando desde que a gente tem memória. Porém, não foi em rigor uma decisão apoiada na carência, mas todo o contrário, alicerçada na estrita provisão de recursos, algo profundamente humano e por isso nada estranho ao amor maternal.

Mas ela já tinha apreendido e mesmo experimentado que o futuro era possível só se a gente falava uma autêntica língua, e que aqueles falares que percebem as favas e as vacas não são ótimos para arranjar um trabalho como os que na modernidade a gente precisa. Por isso, ao tempo que me alimentava com o melhor que brotava do seu peito, também me negava, sem sabê-lo, um alimento que eu tive de apanhar entre o que a ela lhe sobrava, e que na aldeia ainda nascia com a naturalidade do que sempre brotou ali.

Amo a minha mãe, mas detesto a infinita ignorância que a Espanha (todos os seus agentes desgaleguizadores, aquém e além) têm sementado na Galiza, e que faz com que a gente, a partir do exemplo do idioma, não tenha apreço pelas autênticas tradições.

Nunca pensei que tinha adotado o galego face ao meu castelhano inicial por uma atitude antissistema. Acho melhor que foi uma coerência, provavelmente inoculada por via artístico-intelectual, que me levou a sentir como próprio aquilo que rebordava sem trégua sob o leve manto de espanholidade que respiraba à minha volta. É sem dúvida uma questão de sensibilidade, e não só para ser alvo de aquilo que nos marca senão mesmo para ser penetrado por uma realidade que de algum modo se pressente, e que, de um modo íntimo e prévio a todo raciocínio, precisamos absorver.

[Praza Pública, 1/10/2014]

Share

O desafio cultural do presente

1916-1950. Xeración Nós: o raio transparente

1916-1950. Xeración Nós: o raio transparente

A Geração Nós assumiu como própria a tarefa de demonstrar que a cultura galega existia no conjunto do património mundial, e para isso foi entre os próprios galegos que houvo de fazer seu principal lavor de divulgação, pois ao povo não só lhe fora ocultado o seu tesouro nacional senão que permanecia empecido para perceber sua maravilhosa singularidade a causa da ação colonizadora que Espanha desenvolve na sua construção nacional.

Mercê a este esforço nos âmbitos académico, editorial, historiográfico, artístico, arqueológico, industrial, etc, encetado mormente pola Geração Nós, é que foi possível na Transição Espanhola a criação de diversas instituições culturais e políticas que agem com certa normalidade desde hai dúzias de anos, e que dotam a nossa realidade sociocultural de um quadro referencial imprescindível: associações culturais e profissionais, ensino em galego, instituições culturais específicas, rádio e televisão em galego, etc.

Mas a situação hoje está a mudar. As políticas culturais oficiais tentam abertamente assolagar a renascença cultural da Transição democrática mediante a estratégia de eludir os apoios ao mundo cultural sob o pretexto da falência de orçamentos gerais básicos. Neste contexto, com um povo ainda pouco consciente da necessidade de alimentar um quadro referencial próprio e com uma capacidade adquisitiva constantemente à míngua, os produtos culturais galegos têm no mercado interno uma demanda decrescente.

É por isto que a projeção internacional (Espanha, América, Europa, África…) se torna no presente uma estratégia que pode fazer a cultura galega sobreviver. […] Ler mais

Share

Espanholidade

«O que me anima ainda a escrever [em ocasiões o galego] em normativa institucional, quer dizer com grafia espanhola, é o fato de existir um bom número de pessoas que a reconhecem não só como galega mas como intimamente sua, desde que ligada ao seu próprio jeito de galeguizarem o mundo. É essa passiva espanholidade, mais comum e profunda do que somos capazes de reconhecer, que me merece um grande respeito, até porque eu mesmo não me dou desembaraçado dela e talvez nunca consiga. O fato de vivermos referencialmente em Espanha antes do que na Galiza, como diariamente experimentamos os galegos, deve ter muito a ver com isto.»

{Praza Pública, 26/05/2014 }

Share