Quadrante de sombras

No passado sábado dia 22 de Novembro, foi apresentado o livro de poemas Transfusión Oceánica, de Xosé Iglesias. O evento consistiu na leitura de poemas do capitão-poeta-marinheiro assim como de textos dum grande número de poetas e amig@s: Paco Souto, Ramiro Torres, Táti Mancebo, Alfredo Ferreiro, María José Fernández López, Modesto Fraga, Paco de Tano, Rivadulla Corcón, Iolanda Aldrei, Mercedes Leobalde, Teresa Ramiro, Rodrigo Osorio, Xurxo Gago, Serafín Mourelle, Juan Alberto Moure, Marité Prieto, Xosé Abeledo, Mercedes Queixas Zas, Viki Rivadulla e Miguel Anxo Mato Fondo. A cargo da banda sonora estiveram Bieito Romero e outros membros de Luar na Lubre, para além do grupo folque Samarúas. No presente vídeo, gravado por Táti Mancebo e por mim com um telefone, infelizmente não figuram todas as memoráveis intervenções da noite.
Medre o mar !!!

{Palavra comum}

Share

by

Alfredo Ferreiro nasceu na Corunha em 1969. Estudou Filologia Hispânica e iniciou-se na Teoria da literatura. É membro da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega e da Associaçom Galega da Língua. Tem participado desde 90 em inúmeros recitais de poesia e colaborado em revistas galegas e portuguesas, entre elas Anto e Saudade, sob a direção de António José Queiroz. Na atualidade é membro do Grupo Surrealista Galego. Como crítico tem colaborado em publicações periódicas impressas como A Nosa Terra, @narquista (revista dos ateneus libertários galegos), Protexta (suplemento literário de Tempos Novos), Dorna e Grial, para além de em diversos projetos digitais. De 2008 a 2014 dirigiu, junto com Táti Mancebo, a plataforma de blogues Blogaliza. Desde 2006 é asíduo dos meios eletrónicos, em que se dedica à divulgação da literatura e do pensamento crítico. Atualmente colabora no jornais Praza Pública e Sermos Galiza. A inícios de 2014 fundou, junto com Táti Mancebo e Ramiro Torres, a revista digital de artes e letras Palavra comum, dirigida ao âmbito lusófono. Desde outubro de 2015 é coodenador do Certame Manuel Murguía de Narracións Breves de Arteixo.

Deixar uma resposta