Tempos de introspeção (acossados por um vírus)

A tomar sol em Corunha-vírus 2020

Diz uma amiga minha que vêm tempos de introspeção.

Calculo que sem futebol, sem programas do coração, sem lutas irrisórias pelo poder ou pela moda, alguém vai descobrir que tem um cérebro próprio, após a estranheza de ouvir vozes lá dentro, no obscuro fundo de si.

Alguns implodirão, diretamente.

Outros, passaremos muito tempo sem saber por que nos dói a cabeça. Depois, teremos saudades do ruído de sempre. Enfim, ouviremos o som do mundo.

*

Mudado a castelhano:

Tiempos de introspección (acosados por un virus)

Dice una amiga mía
que vienen tiempos de introspección

Me imagino que sin fútbol
sin programas del corazón
sin luchas irrisorias
por el poder o por la moda
alguien va a descubrir
que tiene cerebro proprio
después del extrañamiento
que produce oír voces allá adentro
en el oscuro fondo de si mismo

Algunos implosionarán, directamente.
Otros pasaremos mucho tiempo
ignorando por qué nos duele la cabeza
Después, echaremos de menos el ruido de siempre
Al final, oiremos el sonido del mundo

Share

by

Alfredo Ferreiro nasceu na Corunha em 1969. Estudou Filologia Hispânica e iniciou-se na Teoria da literatura. É membro da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega e da Associaçom Galega da Língua. Tem participado desde 90 em inúmeros recitais de poesia e colaborado em revistas galegas e portuguesas, entre elas Anto e Saudade, sob a direção de António José Queiroz. Na atualidade é membro do Grupo Surrealista Galego. Como crítico tem colaborado em publicações periódicas impressas como A Nosa Terra, @narquista (revista dos ateneus libertários galegos), Protexta (suplemento literário de Tempos Novos), Dorna e Grial, para além de em diversos projetos digitais. De 2008 a 2014 dirigiu, junto com Táti Mancebo, a plataforma de blogues Blogaliza. Desde 2006 é asíduo dos meios eletrónicos, em que se dedica à divulgação da literatura e do pensamento crítico. Atualmente colabora no jornais Praza Pública e Sermos Galiza. A inícios de 2014 fundou, junto com Táti Mancebo e Ramiro Torres, a revista digital de artes e letras Palavra comum, dirigida ao âmbito lusófono. Desde outubro de 2015 é coodenador do Certame Manuel Murguía de Narracións Breves de Arteixo.

One thought on “Tempos de introspeção (acossados por um vírus)

  1. Graciela Rabuñal

    A introspecção haverá de abrangir novas formas de interacção entre as pessoas, más também com o resto da natureza. Valorizar os contactos, intensificar a solidaridade. Coidar o meio ambiente e reconhecer a importancia do especismo. A fauna é a floresta disfruta hoje da nossa paralise. É um chamado de atenção s novas maneiras de viver com tudos e para tudos. Eu estou disposta já.

Leave a Reply