• contacto@alfredoferreiro.com
  • Galiza, Espanha, Europa
Alfredo Ferreiro
txon-poesia, nº 002

txon-poesia, nº 002

Acaba de vir à luz o número 002 da txon-poesia ~ revista de poesia e poética. «Txon é chão em crioulo. txon é uma revista transdisciplinar anual dedicada à poesia e poética afro-luso-brasileira, sobretudo em língua portuguesa e em kriol, variante da língua cabo-verdiana. Um espaço para expressão, partilha e colaboração entre vozes poéticas plurais, inéditas e publicadas, em que privilegiamos a relação da poesia com a permanente conversa cosmopolita do mundo: para lavrar um chão comum enraizado na memória e projetar uma visão a partir do ângulo exato para viver […]».

A revista contém textos individuais e coletivos de nomes muito prezados por mim (Tiago Alves Costa, José Pinto, Hirondina Jossua, Samuel F. Pimenta, Samuel L. Paris…) assim como outros de muito interesse, obras pluridisciplinares e até reflexões de grande fôlego sobre o processo da escrita e seus vasos comunicantes na sociedade (José Pinto). E entre muitas singularidades, também podemos achar três poemas meus mudados (como diria o Herberto Helder) para crioulo cabo-verdiano:

 

Ne kel adeia salgod

Primer kum lembrá foi musgue. Kel musgue e kel pedra verde te resguarda kel figuera. Um rainha das arvores entre espada, um árvore misteriose ne terra negre, ne humidade de kej kanavial. E mim entre kej arma bronk de terna idade e kel primer refeissão de prote.
Também uns fotografia a bronk e pret de doj katxorr: um katxorre terduod e um explorador de terra moiod, armod kum vôz permanentemente tépida e brand.
Ne kej janela uns pinga tava assaltá kej vidre vinsid. Ne kej tard melankolik ej tava roê kej rot kel vida akumulod ne sotão de sonhe.

Kel pexe de prata

Ne ksinha vêi kel txon é de terra psôd e um fio de luz te inprimí um teia de sombra sobre kel mármore bronke. Kel tornera de kobre te pingá ritmikament ne kold de txuk. Kel armorie e kel artesã de pão te frankea kel janela ek tava dá pum krral, brok negre de terror noturne.
Num bonk, frent de kel televisão a bronk e pret, um mnine de sidade tava observá sê korasão sintilante ne palma de mon, moda um bussula doid, moda um apressod pixin de prata.

 

A Manuel Salgueiro Castro

Vindima

Ó vêi, bô te detod
e ne rekont dess kuart
te ardê kel kajod impregnod
ke kel suôr de tont one.

Lastrod pe kamim de vida,
te sonhá mar a agúa dosse
de amor ke bô korp tava sorvê.
Bô te sonhá ne kej olte pened
de kurasão
kel nafrágie d´hora
kel galop inssessante de kej onda
de bô konstelasão
Bô te kavalgá ne sirke d´akaso,
e pe tude ej bô te saúda kel areia domod
Bô te saltá pe kel trapézie impussível
e bô te voá ke kel bilhete obliterod
de última funsão.

Lavrador de bôj dia,
txgá ne bô vindima.
Inkuant te kei ne kej negra tinalha
kel alkimiko sangue
de bô família.

 

Cf. TXON-POESIA 002 2022

Share

Leave a Reply