Letras Galegas, enfim um futuro possível

Carvalho Calero 2020
Carvalho Calero 2020

Os galegos somos um povo iletrado porque temos uma língua sem letras. Essa foi a preocupação na maturidade do professor Ricardo Carvalho Calero, de que hoje celebramos a obra. O erudito de Ferrol foi cientista, escritor e político preocupado com o porvir da língua galega, a que só via futuro se enquadrada no âmbito da lusofonia. Mas porquê se preocupar por uma língua que, segundo a romanística europeia do século XX, está viva desde há mais de mil anos e é divulgada por vários continentes ao largo de mais de 250 milhões de gargantas?

O galeguismo do século XX, empenhado com a dignificação da língua galega, acusou o povo de desprezá-la e desse modo mostrar uma sorte de patologia social que se traduzia na assunção do castelhano, língua alheia, em detrimento do galego. Mas o povo não abandonava uma língua quando deixava de falar em galego, porque o tal galego, se bem olhado, não semelhava ser língua: não era usado para falar com o médico, nem com o jurista, nem com o farmacêutico, nem era a língua ensinada pelo professor, nem a língua louvada como de literária. Era a língua que por costume, não por ciência, tinham os labregos, era a língua dos que abaixavam o lombo de sol a sol, a língua dos que pouca ou nenhuma terra tinham, a língua dos que na escola eram castigados recebendo com a régua nas mãos por não saberem falar castelhano. Era a língua, em definitivo, dos que não tinham língua.

Share

Na Praia de Valcovo

Alfredo Ferreiro por François Davo na década de 90 (Praia de Valcovo, Arteijo)

Acho que pouco ou nada sabia sorrir quando me fiz homem. Agora que me faço velho aprendi. Ainda bem, até porque para enfrentar a morte acho que vai ser útil: Ela é sempre repudiada e saberá agradecer a alguém que a receber cordialmente.

Share

Poemas na Eufeme, magazine de poesia

«No dia 13 de Janeiro de 2020 fica disponível o magazine de poesia Eufeme n.º 14 (Jan/Mar). Esta edição conta com a participação dos poetas: Alfredo Ferreiro Salgueiro; Catarina da Costa; Eduardo Quina; Fady Joudah (trad. Sérgio Ninguém); José Manuel Teixeira da Silva; Lena Khalaf Tuffaha (trad. Sérgio Ninguém); Maria Quintans; Silva Trstenjak (trad. Sérgio Ninguém); Vítor Pais; Yvette K. Centeno (Poetas&Poetas) e Rui Tinoco (Khroniká).

Com o preço habitual de 7€. Os pedidos podem ser feitos através de: Eufeme: eufeme.magazine@gmail.com; Livraria Poetria (Porto); Livraria Flâneur (Porto); Livraria Snob/Cossoul (Lisboa)».

Nesta revista publiquei poemas inspirados na exposição coletiva Exit, dirigida em 2019 por Gosia Trebacz e protagonizada por Ana Alonso, Bego Tojo, Begoña Pastoriza, José Fonticoba, Lola Saavedra, Luisa Valdés, Malena Carballo e Rosa Catoira:

Obra de Begoña Pastoriza
I
Ocultamos o espírito
com um corpo de papelão.
Às vezes, o amor rasga
o fato de trabalho
e a luz que nos conserva eternos
repara as costuras, os gestos
com que nos cremos sublimes
não sendo mais do que marionetas
tísicas, freneticamente instituídas,
talvez humanas, até.
Então é que o sangue fala,
e entre os seus coágulos
a verdade mana
empoladamente secular.
Nada mata melhor,
agora sabemos,
do que essa palavra
impronunciável.
Obra de Bego Tojo

II

Auscultamos o céu
permanentemente
como se tivéssemos perdido as moedas
necessárias para viver.
Mas no céu tudo muda de lugar,
tudo se transforma em nuvem
em vento ou em chuva
e nada do que deitamos lá
nasce para permanecer
no quadro da expectativa estelar.
Chega então uma trovoada
e uma saraiva de desejos
cai na nossa mão extenuada.
Os olhos saem ao encontro
dos pássaros que
nos acordam de manhã
enquanto uma lágrima brota
do nosso coração emplumado.

Obra de Luisa Valdés

III

No fundo do rio
há um pássaro adormecido.
Seus cânticos remontam a corrente
e seu ninho irisado
é abalado num remanso escondido.
Mas o dia da eclosão
dos ovos surgem desejos
e num torvelinho de paixão
as águas botam a voar
e uma chuva ascende ao céu.
Isto acontece em primavera,
cada quatro mil anos,
sempre que uma virgem
entrar nas águas a assobiar
a música do amor.

Obra de Lola Saavedra

IV

A nossa olhada sustém-se em ruínas impossíveis,
fogos falsos e erradas temperaturas.
O olho é um instrumento do perverso
cérebro que nos coroa,
o nariz irriga-nos tristeza
e os lábios nos provêem da preguiça necessária
para morrer.
Nada há tão sujo como o que se pensa
nem tão limpo como o que foi sentido
nas pradarias do coração.

Obra de José Fonticoba

V

A minha alma semelha
um desejo desvanecido
num urinário público.
Com sua face impertérrita
nos mijos velhos sucumbe
e em nada pode pensar
além de em sua má sorte
e nos odores pútridos que nascem
da sua axila espectral.
Minha alma dessangra-se
e canta
o seu triste final.

*

Share

Poeta apesar de si. Sobre a obra de Tiago Alves Costa

Žižek vai ao ginásio de Tiago Alves Costa

Žižek vai ao ginásio (Através Editora, 2019; prólogo de Teresa Moure), último livro de Tiago Alves Costa, semelha pertencer a um género híbrido, por vezes versos que contam, por vezes prosa poética, histórias encavalgadas a trotar pelos poemas dentro, poemas a florir em contos fora do tempo, por entre as ramas da ancestral e à vez moderna Verdade, essa despida indecorosamente humilde que enfrenta sem cessar a nossa arrogância. Não é uma característica nova, pois já ressaltava no seu primeiro livro, WC constrangido (Grupo Criador Editora, 2012; prólogo de Manuel Eiroa), peça de delicada ternura e estética subtil, a meio caminho entre o arrebato filosófico e humor negro surrealista. Sua segunda obra, Mecanismo de emergência (Através Editora, 2016; prólogo de Carlos Taibo) já tinha explorado a implícita crítica social, assim como um permanente tom lúdico, em ocasiões declaradamente parateatral, que não pára de se internar no existencialismo e até no niilismo. Os versos aqui já mostravam uma medida diversa, mas sem deixar de repenicarem com uma sorte de ritmo que nasce do paralelismo ou da reiteração de vozes ao longo do poema.

Mecanismo de emergencia, de Tiago Alves Costa editado por Através

Realmente há muito surrealismo nas ironias do Tiago, na anedota burlesca e onírica que procura o sentido da vida através da olhada tangencial. Um pensamento divergente, porque autenticamente poético, que inclui o Mistério como elemento necessário, e que deseja a surpresa que se produz quando um tesouro oculto no nosso íntimo é revelado como por acaso, como se a musa tropeçasse com uma pedra brilhante que ninguém sabia que estava aí. Estamos então perante um brincar sagrado e sapiencial, nas doses exatas em que humor e a alegria conduzem à luz do autoconhecimento, por vezes chamado de loucura pelo Sistema e seus sequazes. Se bem em todo Žižek vai ao ginásio a sociedade está presente, isso não converte a obra em poesia social, dado que o indivíduo é o autêntico protagonista, chegando a ser oposto a uma sociedade abstrusa, pacata e ruim que, no melhor dos casos, é insensível. Um indivíduo que por vezes é também poeta, como se ser-se poeta fosse bem uma ousadia bem uma enfermidade crónica impossível de ocultar. Aliás, ser poeta não é bem ter um ofício. É ter a consciência de que resulta impossível ganhar a vida sem assumir o risco de perdê-la a cada verso, em cada inspirado relâmpago com que a musa atravessa um coração que estoura em felicidade e pavor. Ser poeta, já sabíamos, não dá de comer, no entanto alimenta uma fome que pouca gente vê e que não deixa de crescer.

Poderia dizer-se ainda que o livro tem um algo de obra de auto-ajuda, que nos marca o sonho, por libertário tão próximo da infância, como via de conhecimento. Que trata o feminino como chave para a mais profunda sabedoria, um sentido do feminino que transcende as épocas e os sexos, vinculado a uma matriz do telúrico e do ancestral. No mesmo sentido, também nos relata esta obra de que modo a vida superficial, aquela que nos indica o compromisso com um ofício ou uma determinada função social, não nos ajuda a achar um lugar no mundo, um lugar que possamos considerar como realmente próprio. E que só através primeiro da rebelião e logo da revolução interior, poderemos colocar o Eu num lugar propício para a nossa libertação, para sairmos enfim da normalidade de ser nervosos sempre, num mundo em que faltam os abraços e a tristeza sempre é maior. De toda a obra do Tiago conclui-se que o poeta é apesar de si próprio. Porque escreve contra si mesmo, desde uma insatisfação alimentada com carne própria. Mas o poeta não é sua imagem, por crua que possa parecer. O poeta real é invisível, e fica oculto trás a luz dos poemas que, eles sim, poderão sempre sobreviver. Ainda mais: acabar um poema implica sempre uma pequena morte, e começar um verso é um novo renascer.

* Nota: Recomendo emocionado os video-poemas de Roi Fernández sobre as últimas obras do poeta:

fernandez_alonso_04_mechanism from Roi Fernandez on Vimeo.

*

Foto: Tiago Alves Costa por Alberte Sánchez Regueiro

*

{Cf. Palavra Comum}

Share

«Há uma ferida que se aquieta»

(O meu agradecimento ao Maurício Vieira da revista Arvoressências pela publicação deste poema)

Há uma ferida que se aquieta
no fundo de uma branha,
há uma branha profunda
como uma ferida inquietante
que penetra a pele da terra
em sangue e auréolas
de lágrimas incessantes,
uma tristeza que se expande,
um sentimento líquido em que nascem
juncos como filhos
de uma tristeza grave
que já ninguém quer lembrar.
Há uma tristeza na branha
que nos molha e nos penetra
como uma pneumonia crónica
que de tão antiga já nem magoa,
porque está feita do mesmo barro
com que se fazem os olhos,
as vaginas
e as glândulas salivares.
Porque a branha é a nossa
cara humidade penetrante,
nossa sacra terra molhada,
nossa mãe no momento de parir-nos,
nossa placenta,
nossa própria alma
no dia em que vibramos
com a primeira palavra.

*Nota: Na Galiza “branha” significa “terreno pantanoso abundante em juncos e pastos” (Cf. https://estraviz.org/branha).

Do livro inédito de Alfredo Ferreiro Salgueiro Estrangeiros na noite

*

Share

Presentación do libro “A secreta melancolía da garza” e Bases do 29º Certame de Narracións Breves Manuel Murguía de Arteixo

14 de novembro, xoves, no auditorio do Centro Cívico e Cultural ás 20:00 hs.

Arredor do libro, colectánea dos relatos vencedores nos tres últimos anos do Certame, será establecida unha tertulia pública que contará coa presenza de José António Lozano, Mercedes Leobalde e Tiago Alves Costa, persoas gañadoras dos últimos tres anos, do Alcalde de Arteixo, Carlos Calvelo, do deputado de Cultura da Deputación da Coruña Xurxo Couto e do escritor Xavier Alcalá, que representará á Editorial Galaxia.

No mesmo acto, o director literario do Certame, Alfredo Ferreiro e o Alcalde de Arteixo, Carlos Calvelo, farán públicas as bases da 29ª edición do Certame.

Share