Letras Galegas, enfim um futuro possível

Carvalho Calero 2020
Carvalho Calero 2020

Os galegos somos um povo iletrado porque temos uma língua sem letras. Essa foi a preocupação na maturidade do professor Ricardo Carvalho Calero, de que hoje celebramos a obra. O erudito de Ferrol foi cientista, escritor e político preocupado com o porvir da língua galega, a que só via futuro se enquadrada no âmbito da lusofonia. Mas porquê se preocupar por uma língua que, segundo a romanística europeia do século XX, está viva desde há mais de mil anos e é divulgada por vários continentes ao largo de mais de 250 milhões de gargantas?

O galeguismo do século XX, empenhado com a dignificação da língua galega, acusou o povo de desprezá-la e desse modo mostrar uma sorte de patologia social que se traduzia na assunção do castelhano, língua alheia, em detrimento do galego. Mas o povo não abandonava uma língua quando deixava de falar em galego, porque o tal galego, se bem olhado, não semelhava ser língua: não era usado para falar com o médico, nem com o jurista, nem com o farmacêutico, nem era a língua ensinada pelo professor, nem a língua louvada como de literária. Era a língua que por costume, não por ciência, tinham os labregos, era a língua dos que abaixavam o lombo de sol a sol, a língua dos que pouca ou nenhuma terra tinham, a língua dos que na escola eram castigados recebendo com a régua nas mãos por não saberem falar castelhano. Era a língua, em definitivo, dos que não tinham língua.

Share
Certame Manuel Murguía

Arteixo: premios do 29º Certame Manuel Murguía

A Concellaría de Cultura publicou as obras gañadoras en 2020

O xurado composto por Alba Cid Fernández (representante da Asociación Galega da Crítica), Daniel Barral Calvo (gañador da 28ª edición), María Canosa Blanco (representante da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega) e Alfredo Ferreiro Salgueiro (director literario do Certame, que asistiu como secretario, con voz e sen voto), reunido o 18 de abril de 2020, decidiu por maioría conceder os tres premios ás seguintes obras:

1º PREMIO dotado con 4.000 €: Silencios náufragos, presentado baixo o lema “Raqueiro” de Patricia Torrado Queiruga

2º PREMIO dotado con 1.500 €: O último día do Outono, presentado baixo o lema “Refugallo” de Esteban Brea Castro

3º PREMIO dotado con 600 €: A herdeira, presentado baixo o lema “Fluorescencia” de Alejandro Mene Pazos

Os gañadores deberán ser ratificados pola Xunta de Goberno Local, toda vez que se comprobe que cumpren con todos os requisitos.

Valoración do xurado:

«O Xurado xustifica a súa decisión na procura de textos equilibrados, tanto na concepción dos personaxes coma na linguaxe empregada ou na dosificación da historia. Tamén valorou que os distintos escenarios temporais fosen coherentes e cribles. En xeral, o Xurado salienta a diversidade das obras gañadoras, que construíron propostas sólidas desde diferentes temáticas, xéneros e estilos.

Para finalizar, o Xurado tamén acha preciso recordar a importancia da corrección lingüística nas obras presentadas a calquera tipo de certame literario. Neste sentido, o Xurado tería desexado que moitas das obras contasen cunha corrección lingüística maior e por este motivo chama a atención das persoas participantes para dedicaren, no futuro, a máxima atención no uso da lingua.»

A Organización agradece un ano máis a presenza no xurado dun membro da Asociación de Escritoras e Escritores en Lingua Galega, así como outro da Asociación Galega da Crítica, feito que contribúe a alicerzar o rigor do Certame no contexto sistema literario galego.

Cf. arteixo.org

Share
Inspiração por Alfredo Ferreiro

~ SYNADELPHO ~ Laboratorio literario

Presentación

Alfredo J. Ferreiro Salgueiro (A Coruña, 1969) leva máis de trinta anos vencellado á creación literaria. Bilingüe de nacemento, comezou a escribir arrolado polo barroco español e a poesía galega moderna. Estudou Filoloxía Hispánica e cursou o Terceiro Ciclo de Teoría da Literatura na Universidade da Coruña. Desde os anos 90 é un apaixonado da creación literaria e dos significados ocultos. En 2006 creou o seu blog persoal (O levantador de minas) e en 2014 a revista dixital de artes e letras Palavra Comum (codirigida co escritor Tiago Alves Costa). É un animal poético galaico, transfronteirizo, montesiño e marismático (cf. Obra literaria e crítica).

Obxectivo

SINADELFO ~ Laboratorio literario nace da vontade de partillar a súa investigación permanente sobre a escrita. O autor abre virtualmente o seu espazo de traballo ás persoas interesadas en praticar e ao mesmo tempo descubrir o fundamento cultural da literatura, é dicir, o seu potencial didáctico e terapéutico.

O inicio

Todo comeza no máis íntimo de nós mesmos, polo que o primeiro debe ser atopar a nosa motivación para escribir. A partir dunha pesquisa íntima, o traballo creativo desenvolverase até atopar o tema, o xénero e o estilo.

Decorado de “Nut” de Ángel de la Parra

Secuencialización

Proporanse un traballo escrito semanal (catro por mes), que será corrixido en comunicación individual (email ou equivalente). Eventualmente, poderá haber comunicación grupal, en directo ou en diferido.

Algúns tópicos

  • Alfa e omega. Sobre o mundo
  • Bestiario. Sobre os instintos
  • Consello dos Elfos. Sobre a tradición
  • Expiración narrativa. Sobre o discurso
  • Inspiración poética. Sobre a musa
  • Pases máxicos. Sobre a enerxía
  • Sexo e literatura. Sobre o amor
  • Templo de Delfos. Sobre o eu
  • Teoría das paixóns. Sobre os universais
  • Teoría dos obxectos mutantes. Sobre o estilo

Prezo

Nivel de iniciad@: 30€ / mes

Proxecto en curso: a partir de 40€ /mes. Neste caso, debido ás características do proxecto a secuencialización pode adaptarse.

Contacto

contacto@alfredoferreiro.com

*

En castellano:

Presentación

Alfredo J. Ferreiro Salgueiro (A Coruña, 1969) lleva más de treinta años vinculado a la creación literaria. Bilingüe de nacimiento, empezó a escribir poesía arrullado por el barroco español y la poesía moderna gallega. Estudió Filología Hispánica y cursó el Tercer Ciclo de Teoría da Literatura en la Universidade da Coruña. Desde los años 90 es un apasionado de la creación literaria y de los significados ocultos. En 2006 creó su blog personal (alfredoferreiro.com) y en 2014 una revista digital de artes y letras (palavracomum.com). Es un animal poético galaico, transfronterizo, marismático y montesino (cf. Obra literaria y crítica).

Rubén Fenice

Objetivo

SINADELFO ~ Laboratorio literario nace con la voluntad de compartir su investigación permanente sobre la escritura. El autor abre virtualmente su espacio de trabajo a las personas interesadas en practicar y al mismo tiempo descubrir el fundamento cultural de la literatura, es decir, su potencial didáctico y terapéutico.

O inicio

Todo empieza en lo más íntimo de nosotr@s mism@s, por lo que lo primero debe ser encontrar nuestra motivación para escribir. A partir de una búsqueda íntima, el trabajo creativo se desarrolla hasta encontrar el tema, el género y el estilo.

Secuencialización

Se propondrá un trabajo escrito semanal (cuatro por mes), que será corregido en comunicación individual (email o equivalente). Eventualmente, podrá haber comunicación grupal, en directo o en diferido.

Sexo y Literatura por D. H. Lawrence
Sexo y Literatura por D. H. Lawrence

Algunos tópicos

  • Alfa y omega. Sobre el mundo
  • Bestiario. Sobre los instintos
  • Consejo de los Elfos. Sobre la tradición
  • Expiración narrativa. Sobre el discurso
  • Inspiración poética. Sobre la musa
  • Pases mágicos. Sobre la energía
  • Sexo y literatura. Sobre el amor
  • Templo de Delfos. Sobre el yo
  • Teoría de las pasiones. Sobre los universales
  • Teoría de los objetos mutantes. Sobre el estilo

Precio

Nivel de iniciad@: 30€ / mes

Proyecto en curso: a partir de 40€ /mes. En este caso, debido a las características del proyecto la secuencialización puede adaptarse.

Contacto

contacto@alfredoferreiro.com

Share

Na Praia de Valcovo

Alfredo Ferreiro por François Davo na década de 90 (Praia de Valcovo, Arteijo)

Acho que pouco ou nada sabia sorrir quando me fiz homem. Agora que me faço velho aprendi. Ainda bem, até porque para enfrentar a morte acho que vai ser útil: Ela é sempre repudiada e saberá agradecer a alguém que a receber cordialmente.

Share

Poeta apesar de si. Sobre a obra de Tiago Alves Costa

Žižek vai ao ginásio de Tiago Alves Costa

Žižek vai ao ginásio (Através Editora, 2019; prólogo de Teresa Moure), último livro de Tiago Alves Costa, semelha pertencer a um género híbrido, por vezes versos que contam, por vezes prosa poética, histórias encavalgadas a trotar pelos poemas dentro, poemas a florir em contos fora do tempo, por entre as ramas da ancestral e à vez moderna Verdade, essa despida indecorosamente humilde que enfrenta sem cessar a nossa arrogância. Não é uma característica nova, pois já ressaltava no seu primeiro livro, WC constrangido (Grupo Criador Editora, 2012; prólogo de Manuel Eiroa), peça de delicada ternura e estética subtil, a meio caminho entre o arrebato filosófico e humor negro surrealista. Sua segunda obra, Mecanismo de emergência (Através Editora, 2016; prólogo de Carlos Taibo) já tinha explorado a implícita crítica social, assim como um permanente tom lúdico, em ocasiões declaradamente parateatral, que não pára de se internar no existencialismo e até no niilismo. Os versos aqui já mostravam uma medida diversa, mas sem deixar de repenicarem com uma sorte de ritmo que nasce do paralelismo ou da reiteração de vozes ao longo do poema.

Mecanismo de emergencia, de Tiago Alves Costa editado por Através

Realmente há muito surrealismo nas ironias do Tiago, na anedota burlesca e onírica que procura o sentido da vida através da olhada tangencial. Um pensamento divergente, porque autenticamente poético, que inclui o Mistério como elemento necessário, e que deseja a surpresa que se produz quando um tesouro oculto no nosso íntimo é revelado como por acaso, como se a musa tropeçasse com uma pedra brilhante que ninguém sabia que estava aí. Estamos então perante um brincar sagrado e sapiencial, nas doses exatas em que humor e a alegria conduzem à luz do autoconhecimento, por vezes chamado de loucura pelo Sistema e seus sequazes. Se bem em todo Žižek vai ao ginásio a sociedade está presente, isso não converte a obra em poesia social, dado que o indivíduo é o autêntico protagonista, chegando a ser oposto a uma sociedade abstrusa, pacata e ruim que, no melhor dos casos, é insensível. Um indivíduo que por vezes é também poeta, como se ser-se poeta fosse bem uma ousadia bem uma enfermidade crónica impossível de ocultar. Aliás, ser poeta não é bem ter um ofício. É ter a consciência de que resulta impossível ganhar a vida sem assumir o risco de perdê-la a cada verso, em cada inspirado relâmpago com que a musa atravessa um coração que estoura em felicidade e pavor. Ser poeta, já sabíamos, não dá de comer, no entanto alimenta uma fome que pouca gente vê e que não deixa de crescer.

Poderia dizer-se ainda que o livro tem um algo de obra de auto-ajuda, que nos marca o sonho, por libertário tão próximo da infância, como via de conhecimento. Que trata o feminino como chave para a mais profunda sabedoria, um sentido do feminino que transcende as épocas e os sexos, vinculado a uma matriz do telúrico e do ancestral. No mesmo sentido, também nos relata esta obra de que modo a vida superficial, aquela que nos indica o compromisso com um ofício ou uma determinada função social, não nos ajuda a achar um lugar no mundo, um lugar que possamos considerar como realmente próprio. E que só através primeiro da rebelião e logo da revolução interior, poderemos colocar o Eu num lugar propício para a nossa libertação, para sairmos enfim da normalidade de ser nervosos sempre, num mundo em que faltam os abraços e a tristeza sempre é maior. De toda a obra do Tiago conclui-se que o poeta é apesar de si próprio. Porque escreve contra si mesmo, desde uma insatisfação alimentada com carne própria. Mas o poeta não é sua imagem, por crua que possa parecer. O poeta real é invisível, e fica oculto trás a luz dos poemas que, eles sim, poderão sempre sobreviver. Ainda mais: acabar um poema implica sempre uma pequena morte, e começar um verso é um novo renascer.

* Nota: Recomendo emocionado os video-poemas de Roi Fernández sobre as últimas obras do poeta:

fernandez_alonso_04_mechanism from Roi Fernandez on Vimeo.

*

Foto: Tiago Alves Costa por Alberte Sánchez Regueiro

*

{Cf. Palavra Comum}

Share

«Há uma ferida que se aquieta»

(O meu agradecimento ao Maurício Vieira da revista Arvoressências pela publicação deste poema)

Há uma ferida que se aquieta
no fundo de uma branha,
há uma branha profunda
como uma ferida inquietante
que penetra a pele da terra
em sangue e auréolas
de lágrimas incessantes,
uma tristeza que se expande,
um sentimento líquido em que nascem
juncos como filhos
de uma tristeza grave
que já ninguém quer lembrar.
Há uma tristeza na branha
que nos molha e nos penetra
como uma pneumonia crónica
que de tão antiga já nem magoa,
porque está feita do mesmo barro
com que se fazem os olhos,
as vaginas
e as glândulas salivares.
Porque a branha é a nossa
cara humidade penetrante,
nossa sacra terra molhada,
nossa mãe no momento de parir-nos,
nossa placenta,
nossa própria alma
no dia em que vibramos
com a primeira palavra.

*Nota: Na Galiza “branha” significa “terreno pantanoso abundante em juncos e pastos” (Cf. https://estraviz.org/branha).

Do livro inédito de Alfredo Ferreiro Salgueiro Estrangeiros na noite

*

Share