6 poemas 6 Homenaxe GarciaLorca 2015

6 poemas 6. Homenaxe a Federico García Lorca

6 poemas 6 Homenaxe GarciaLorca 2015Foi um prazer colaborar neste livro coletivo de homenagem ao génio de Federico García Lorca, homem que provavelmente não hesitou quando seus amigos do “proto-lobby gay galego”, Ernesto Guerra da Cal e Eduardo Blanco Amor, se calhar lhe propugérom honrar a língua galega assinando uns poemas em vernáculo noroestino. Não duvido que os poemas são seus, como assim que a língua deveu ser composta polos amigos. Tanto fai, isso não resta valor ao gesto fraternal ibérico nem à musa do poeta, nesta ocasião suplantada por uma moura ancestral galaica vestida com o fato há longo tempo tradicional da Santa que diz que pariu Jesus de Nazaré para lembrar-nos que o amor é o ouro autêntico. Ai, meu Jesus, que pouco cristianismo há entre todos os que hoje erguem a cruz com falsa devoção e verdadeiro autoritarismo!

Há quem afirma que na altura do acordo poético o Federico visitava um namorado galego. Passados muitos anos, o Ernesto Guerra da Cal foi perguntado polos encontros e desencontros amorosos daqueles anos e ele, digno e respeitoso, não quis contar nada. Isso é que devemos saber desses assuntos, nada salvo que os três amigos foram escritores e intelectuais de vulto que sempre convém reler e homenagear. Porque não imos interpretar a literatura através fontes históricas, não é?; isso seria fazer aquilo que Vítor Manuel Aguiar e Silva denomina “crítica hidráulica”, e não é algo sério. Read More

Share

Xavier Alcalá: Bélxica abrazou o reintegracionismo

Xavier Alcalá: «[…] Como sabe, Ernesto, sempre gustei de andar camiños e coñecer xentes. Por iso, xa avó de barbas brancas, aceptei traballo en Flandres, país do que moito temos falado. Hai máis dun lustro que paso case a metade do tempo alá, lendo e oíndo as lingua dos Países Baixos; e visito en Amsterdam o profesor Fernando Venâncio, sabio co cal deberemos armar conversas cando el e eu chegarmos a esa beira do Estixe (para o que os amigos haberán de ser pacientes).

Cumpríalles aos galegos tomar exemplo dos flamengos, pois reviviron a súa lingua asoballada polo francés e aceptaron as normas gráficas da maioría para pesaren máis no mundo. Di o profesor Venâncio que as diferenzas entre falas neerlandesas son maiores que entre as galaico-portuguesas, mais os flamengos cederon: falan neerlandés ao seu xeito e escríbeno como os holandeses.

Ora, ¿como convencermos aquí os enxebristas? Mal se pode discutir con quen devece por Madrid e considera o castelán como única lingua universal. Só fica unha esperanza: os bolseiros galegos en Bruxelas estudan portugués alá. Non é o mesmo a capital de España que a da Unión Europea: desde Bélxica vense o Brasil e Angola […].»

{Carta a Guerra da Cal e ao seu compañeiro D. C. Warnest}

Share